A nova ligação rodoviária do Parque de Negócios de Escariz, em Arouca, à A32, no nó de Pigeiros, foi inaugurada hoje numa cerimónia que contou com a presença do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, da Presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém, e do Presidente das Infraestruturas de Portugal, Miguel Cruz.

A empreitada que se iniciou a 3 de junho, e visa realizar a ligação rodoviária do Parque de Negócios de Escariz à A32, tem 7,1 quilómetros de extensão e contou com um investimento de 30.4 milhões de euros.

Este é o “maior investimento financiado exclusivamente pelo orçamento de Estado nos últimos 20 anos”, salientou Pedro Nuno Santos acrescentando ainda que “a verdade é que os investimentos públicos que se foram fazendo em Portugal nas últimas décadas são investimentos financiados por fundos comunitários”.

O governante mais adiantou que “ninguém está a dar nada ao povo de Arouca”, tecendo mais elogios aos habitantes do concelho, que segundo o mesmo, têm mostrado “ao longo dos últimos anos que apesar de não lhes ser feita justiça pelo país, não ficaram à espera para se desenvolver.” Arouca é hoje um município “não só com importância regional”, como também “destacado a nível nacional e falado a nível internacional”, concluiu. O mesmo ainda salientou que os arouquenses sempre souberam da importância desta estrada para dar mais oportunidades de desenvolvimento à região.”

“Hoje é um dia feliz”

Por sua vez a edil Margarida Belém destacou que hoje “é um dia feliz” porque se inauguram mais 7 km da via estruturante”, que agora que concluída vai permitir uma ligação “rápida e segura à nossa área metropolitana”.

A edil confessou igualmente que no dia de hoje se fez ainda justiça ao esforço e resiliência dos empresários arouquenses, que foram penalizados pela “inexistência de linhas condignas de comunicação”, e que mesmo assim não deixaram de criar em Arouca as suas empresas, “fizeram crescer e prosperar gerando riqueza e emprego sendo uma alavanca fundamental para o desenvolvimento económico/industrial e social de Arouca”.

A autarca afirmou que com a inauguração desta via foram dadas melhores condições de mobilidade e segurança aos arouquenses que “apesar de trabalharam noutros concelhos vizinhos…optaram por continuar a residir em Arouca” e vice-versa.

Apesar de os tempos de circulação “de pessoas e mercadorias terem sido encurtados”, tal como adiantou a Presidente, a mesma referiu no seu discurso que o dia podia ser “ainda mais feliz, caso o Presidente Pedro Nuno Santos desse instruções às infraestruturas de Portugal para avançarem com a terceira e última fase desta via estruturante”.  Margarida Belém reiterou que apesar de ter sido dado mais um passo com esta obra, falta dar o último passo para “vermos finalmente cumprida uma reivindicação de 25 anos”, ou seja, a parte entre Tropeço e Escariz.

“Esta estrada é mais do que uma estrada, é mais do que uma via rodoviária, é o futuro! Para as nossas gentes e o nosso território. Estou certa que poderemos todos continuar a contar com o seu empenho e acima tudo o seu compromisso para que a terceira e última fase da via estruturante seja uma realidade em breve”, finalizou.

A tal premissa Pedro Nuno Santos referiu que sabe que “não está tudo feito”, referindo-se ao troço que ainda falta, no entanto, revelou “apenas nos devemos comprometer com aquilo que temos a certeza que conseguimos fazer”. Mais referiu o ministro que “quando estivermos preparados e tivermos financiamento para fazer um novo anúncio nós faremos, até lá vamos continuar a ter Arouca a lutar e nós continuaremos empenhados para encontrar soluções”, respondendo à autarca.

A infraestruturas de Portugal referiu aquando do inicio da empreitada que os trabalhos iriam ter uma duração de 870 dias e iria realizar as seguintes intervenções : adequação a Rotunda de Pigeiros e construção da Rotunda de Escariz, criação de um total de nove restabelecimentos, assegurando a ligação à rede viária existente, construção de uma Ponte sobre o Rio Antuã com 96 metros de extensão, construção de quatro viadutos: Vilarinho (574m), Monte Calvo (168m), Londral (168m) e Escariz (132m), execução de obras de contenção do tipo parede pregada e terra armada, com extensões a variar entre os 21 e os 300 metros, iluminação pública, execução de Canal Técnico Rodoviário ao longo da via, colocação de vedações e criação de caminhos paralelos

Esta empreitada é realizada no âmbito do Programa de Valorização das Áreas Empresariais (PVAE), ao abrigo do qual a Infraestruturas de Portugal está a desenvolver um vasto conjunto de projetos de melhoria das acessibilidades rodoviárias às áreas empresariais e industriais. O PVAE engloba um investimento estimado em cerca de 102 milhões de euros a concretizar de Norte a Sul do país.

Texto: Ana Castro

Fotos: Carlos Pinho