A empreitada foi adjudicada à empresa A. Malheiros, Lda, e conta com um investimento de mais de 600 mil euros

Estas Áreas de valência coletiva, segundo a autarquia, vão permitir dotar esta via com infraestruturas que permitam a prática de atividades “complementares e melhorem o acolhimento aos utilizadores”.

De lembrar que a edilidade já havia anunciado anteriormente uma empreitada de ligação da Ecovia do Arda, a ocorrer no lugar da Pedra Má, e que vai permitir terminar os 11 quilómetros de troço desta ciclovia. Esta intervenção vai ter a duração de aproximadamente 1 ano e prevê a criação de três zonas novas, ou seja, o Parque da Ribeira, o Parque de Rossas e o Parque de Santa Eulália.

“Estas três áreas que pretendemos criar vão servir de apoio à Ecovia do Arda – uma aposta deste executivo na ligação pedonal e ciclável entre seis freguesias do Vale de Arouca – constituindo novos polos de atração e complementaridade à infraestrutura existente”, informou Margarida Belém.

Em Tropeço além de um pórtico e uma praça de acolhimento aos visitantes (ginásio ao ar livre), tal como adiantou o Município, vão também ser criados 15 lugares de estacionamento automóvel, uma pista de arborismo e parede de escalada.

A parte nascente e poente do rio arda também vão sofrer alterações, com a criação de 6 lugares de estacionamento, percurso de obstáculos para bicicletas (pump tracks) e uma intervenção de land art (tipo de arte em que o terreno natural), que vão formar o Parque de Rossas.

Em Santa Eulália, a autarquia pretende recuperar uma azenha e criar uma “praceta” de reunião para permitir a “divulgação e sensibilização ambiental e cultural.

A obra vai ser comparticipada em 85% pelo FEDER-Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, com 350.000.00€, cabendo ao Município de Arouca o restante financiamento que se fixa em aproximadamente 306.960.00€.

Foto: Município de Arouca