Alexandra Brites e Catarina Lopes, testemunharam ao Discurso Directo como é viver fora de Portugal.

Em Portugal, são muitos os portugueses que optam por emigrar, onde um estudo revela até que se tornou o país da Europa com mais emigrantes, cerca de 20%, o que corresponde a mais de 2 milhões de portugueses fora do país.

Existem com certeza muitos emigrantes dos quais conhecemos, alguns são até mesmo familiares ou amigos que emigram essencialmente à procura de uma vida melhor. 

A maioria dos portugueses acabam por não vir a Portugal anualmente, tantas vezes como gostariam, essencialmente porque ou estão muito longe, ou as viagens são bastante caras.

Alexandra Brites, de 43 anos, natural de Castelo de Paiva é um desses casos, em que visita Portugal, 2 vezes por ano, uma vez que está emigrada em Saint-Barthélémy, nas Caraíbas, há cerca de 18 anos. 

Inicialmente, a ideia de emigrar surgiu para poder ter um melhor estilo de vida e também construir a sua casa em Portugal e proporcionar aos filhos uma vida melhor. O seu objetivo é voltar para a sua terra em Portugal, no entanto, só o pretende fazer quando for reformada, até lá de todas as vezes que visita Portugal “é uma sensação enorme de alegria e de mais uma conquista”, refere ao Discurso Directo.

Confessa ainda que de quem tem mais saudades é a filha, uma vez que se encontra a estudar em Portugal e admite que quando está em Portugal aproveita o tempo com a família e para gozar mais a vida, pois quando está nas Caraíbas está na maioria do tempo a trabalhar.

O que mais gosta em Portugal é a terra onde nasceu, apesar de gostar das pessoas para quem trabalhar em Saint Barthélémy. 

Por outro lado, Catarina Lopes tem apenas 25 anos e está emigrada na Suíça há cerca de 2 anos, na cidade de Schaffhausen. Emigrou para a Suíça, uma vez que o namorado já se encontrava a viver lá, para que juntos possam também construir uma vida melhor.

Ambiciona, à semelhança da maioria dos portugueses, voltar para Portugal no futuro, no entanto, por agora vão ficar por lá pois o custo de vida em Portugal está também muito elevado, com salários inferiores aos da Suíça.

À semelhança de Alexandra, Catarina Lopes, também vem a Portugal 2 vezes por ano, mas quando vem, admite que sabe sempre bem “falar a nossa língua, comer a nossa comida, rever a família e amigos. É sempre uma boa sensação, sentimos que estamos em casa e tentamos aproveitar sempre ao máximo”.

Apesar da vida corrida na Suíça, sente muitas saudades principalmente dos avós e da irmã. Habitualmente trabalha até às 21/21h30 e ao fim de semana aproveitam para fazer as tarefas de casa e por vezes estar com alguns amigos de lá. A rotina torna-se automaticamente diferente da de Portugal, sendo que cá costumam vir de férias e estão sempre mais descontraídos. Admite gostar da Suíça por ser um “país mais regrado e mais organizado”, apesar de nunca ter sido uma opção acabou ser uma junção do útil ao agradável. Tencionam ficar na Suíça mais uns tempos, com o objetivo de organizar a vida, concretizar os objetivos e regressar mais tarde a Portugal.

Alexandra Brites