Em Portugal o Dia Mundial da criança, à semelhança de vários países, foi escolhido o dia 1 de junho para celebrar o Dia Mundial da criança, com o objetivo de sensibilizar a sociedade para os Direitos das Crianças, e para a necessidade de promover uma melhoria das condições de vida, tendo em vista o seu desenvolvimento.

O DD esteve à conversa com Amélia Rodrigues, diretora do AEA, a direção do Centro Paroquial de Promoção Social da Rainha Santa Mafalda e Arouca, e Autarquia, por forma a ficarmos a saber a importância deste dia para cada uma destas instituições, e que atividades vão ser organizadas por cada uma.

Dia evocativo dos direitos da criança

Tal como esclareceu Amélia Rodrigues este dia deve ser evocativo dos direitos da criança, parâmetro que as escolas cumprem ao realizar atividades artísticas, recreativas e culturais próprias de cada idade. O AEA, principalmente nos estabelecimentos de ensino do pré-escolar e 1º ciclo, e nos Laboratórios da ESA, salão de junta de freguesia, campo de futebol, ecovia, e margens dos rios vai desenvolver estas atividades próprias a cada idade.

As atividades programadas vão ser apenas realizadas no dia 1 de junho sendo que segundo a AR “no AEA, o Dia Mundial da Criança é um dos dois dias escolhidos pelo agrupamento para paragem letiva no 1º CEB e JI, face à particularidade e importância desta efeméride.”

Pelo que adiantou a dirigente educativa existe um forte envolvimento das Associações de pais que garantem as atividades e os seus custos, assim como as juntas de freguesia, instituições desportivas, recreativas e culturais do concelho.

AR ainda explicou ao DD que na sequência da pandemia e agora da guerra, a comemoração do Dia da Criança é fundamental para alertar o mundo relativamente à violação dos direitos das crianças, e para a necessidade de as proteger. Para a docente, independentemente deste contexto de pandemia e guerra na Europa, é o papel do AEA zelar pelo bem-estar de todos os alunos. A escola deve sim “preparar os alunos para o desconhecido, para a incerteza e contribuir para a aquisição de valores e de competências que os tornem cidadãos autónomos e responsáveis, capazes de responder aos desafios complexos deste século.” Desafios que segundo a diretora recaem sobre as áreas da saúde, ambiente, sustentabilidade, segurança e paz das crianças e jovens.

O aumento dos anos de escolaridade obrigatória, alargada até aos 18 anos que permitiu a que todos os jovens tenham a oportunidade de terminar o 12º ano, as novas orientações curriculares para o Pré-Escolar, os Decretos de Lei 54 e 55 de 6 de julho de 2018, que estabelecem normas de inclusão, a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento das capacidades e das atitudes que contribuem para alcançar as competências previstas no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, são algumas das orientações utilizadas pelo AEA para garantir o bem-estar das crianças e jovens e o seu sucesso educativo.

Amélia Rodrigues após ser questionada sobre qual a responsabilidade da “escola”, enquanto instituição para formar adultos capazes no futuro adiantou que o AEA ambiciona proporcionar a todos um serviço educativo de excelência, desenvolvendo e valorizando conhecimentos, capacidades e atitudes promotoras da aquisição de competências facilitadoras do prosseguimento de estudos, do acesso ao mercado de trabalho, de integração na vida em sociedade e de aprendizagem ao longo da vida. “O plano de ação estratégico, integrado no Projeto Educativo do AEA, está estruturado à volta de três objetivos centrais, que se complementam e interligam: “Elevar a qualidade do serviço Educativo”, “Promover a formação Cívica e Cidadã” e “Melhorar a Qualidade da Organização Escolar”.”, explicou a dirigente.

Mais acrescentou que um serviço educativo de qualidade, a promoção de ambientes enriquecedores e diversificados, que fomentem a formação cívica e cidadã, e a melhoria da organização são determinantes para o sucesso dos alunos, e é nesta missão que reside a responsabilidade do AEA.

Estar com as Crianças com tempo e num ambiente gratuito e livre

É sobre este mote exposto anteriormente que o Centro Paroquial de promoção social Rainha Santa Mafalda vai planear as atividades relativas ao Dia Mundial da Criança. “Iremos passar o dia com as crianças em espaço natural e aberto, em ambiente de profunda relação com o meio natural. Farão uma caminhada, o seu almoço, a sesta, jogos tradicionais e de grupo, mergulho no rio.”, explicaram.

O CPSRSM admitiu ao DD que a sua linha de atuação pedagógica, no que à infância diz respeito, é de cariz próximo, comunitário e de contacto com a natureza, “pelo que os nossos planos de atividades, apesar de enquadrados no calendário e dias festivos, são elaborados por objetivos de desenvolvimento e educativos, e não por dias temáticos.” Para a IPSS, os dias temáticos são, na maioria das vezes, de cariz económico, pelo que não podem nem devem limitar a sua ação a esses calendários.

“Acreditamos que é preciso toda uma aldeia para educar uma criança”, deste modo o CPSPRSM adiantou-nos que possui várias parcerias sendo que considera todas as entidades locais suas parceiras. Ressalvam, todavia, o projeto “Com Olhar de Criança” que está a ser desenvolvido em parceria com a Radio Regional de Arouca, e outros que contam com o apoio da ESA, CMA, ADRIMAG e GEOPARK.

Segundo os mesmos as instituições têm responsabilidades alargadas não na comemoração de efeméride, mas na prossecução diária, discreta e persistente desse fim, “a Educação é a sua natureza, é o seu campo de ação…a comemoração é um pretexto, uma motivação extra para se melhorar a vida e a atividade pedagógica e social da Instituição junto dos utentes e da Comunidade. Mas primeiramente estão as famílias: a Família é o melhor berço, a melhor e a primeira “escola”.”, esclareceram.

A instituição acredita que tem uma responsabilidade acrescida no dever de proporcionar o bem-estar dos seus utentes, e esse é um papel de apoio às famílias. Para desempenharem este papel acreditam que necessitam de toda a comunidade. “É urgente respeitar o processo de maturidade e a ordem interior da criança…É urgente humanizar o ensino, reconquistar o silêncio no processo de aprendizagem, essencial ao pensamento e à reflexão…É urgente respeitar a gratuitidade intrínseca à Infância e Educar na curiosidade e no contacto com a Natureza. É urgente repensar o excesso de estímulos visuais e o excesso de “coisas” e ruído a que submetemos apressadamente as crianças.”, confessaram.

Algo que preocupa a instituição é a hipereducação e superestimulação/ uniformização a que as crianças são submetidas, “temos, a bem dos adultos de amanhã, de libertar as crianças da ditadura dos currículos e da cognição.”

Atividades que vão ser proporcionadas pelo município

Para assinalar o Dia Mundial da Criança, o Município irá proceder à entrega, a cada aluno do pré-escolar e 1.º ciclo, de uma entrada gratuita de acesso às piscinas exteriores do Complexo Desportivo Municipal, a ser utilizada aquando abertura da época balnear.

Vai realizar-se também, no dia 5 de junho, domingo, no Parque Municipal, uma ação alusiva ao Dia Mundial da Crianças, com atividades destinadas ao público infantil, tais como insufláveis, pinturas faciais, magia, entre outros. A atividade decorre das 14h00 às 19h00. 

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens é a entidade parceira do Município nestas atividades.

Foto: CMA