B-SAD acabou por descer do escalão principal do Futebol Português e FC Arouca sem rasgo para melhor não conseguiu desfazer o nulo

Os azuis de Belém necessitavam de uma intervenção divina para permanecer na Primeira Liga, no entanto nem deus lhes valeu, perante um Arouca calmo e metódico que só não saiu mais feliz do encontro porque decidiu relaxar na reta final.

Apesar de se encontrarem com resultados quase idênticos na tabela classificativa, FC Arouca e Belenenses chegaram à última jornada, com ânimos opostos. Os Arouquenses, na ronda anterior, já haviam garantido a manutenção, resultado este que se espelhou na maior quantidade de adeptos que se encontravam nas bancadas, comparativamente aos últimos jogos. A equipa de Arouca tinha como objetivo chegar aos 33 pontos, segundo melhor resultado da equipa na I Liga Portuguesa apenas superado pelo registo obtido pelos mesmos na altura de Lito Vidigal, quando chegaram mesmo a ir à Liga Europa. Todavia não conseguiram o feito.

Os de Arouca para conquistarem o seu objetivo tinham pela frente um Belenenses que pretendia dar tudo para garantir a permanência no principal escalão do Futebol Português, de forma que a estes só a vitória interessava, mas viria a saber-se que não seria suficiente para salvar o clube de Lisboa. Por Moreira de Cónegos o Moreirense e Vizela também já davam as voltas necessárias para garantirem, um deles, uma vaga no play-off. As contas estavam fáceis de fazer.

O Moreirense desde cedo desenhou uma vantagem bastante favorável frente ao Vizela, e o B-SAD, tal como a chuva que se fazia sentir em Arouca, estava com tendência para “cair”. Por sua vez, os da casa, apesar de não possuírem as peças habituais em campo, eram quem estava a obter as oportunidades mais flagrantes, e quem não dava a mínima hipótese ao aflito adversário para crescer.

Logo no início, Tiago Araújo perdeu a oportunidade de pontuar com Luiz Felipe, perdendo a disputa com o Guarda-redes, logo depois, aos 28 minutos, Danny nega o ponto a Antony mesmo na linha de golo e, próximo do intervalo, Thales cabeceou com pontaria a mais para o poste na sequência de um canto.

Entretanto apenas Pedro Nuno conseguiu uma boa oportunidade para os azuis, obrigando o estreante Zubas a uma defesa com ginástica à mistura, para defender o remate de livre frontal.

Após a forte chuva que se fez sentir no primeiro tempo, que obrigou alguns adeptos a procurarem abrigo, vieram os trovões que combinavam com a pouca esperança presente no semblante do Belenenses. A formação estava quase a despedir-se da I Liga com uma prestação a condizer com o resto da época “insuficiente”.

O jogo seguia sem surpresas e sem a agitação que um jogo de “vida ou de morte” requer. Mota e Camará, pelos visitantes, desperdiçaram duas excelentes oportunidades para pelo menos tranquilizar e estabilizar o orgulho da equipa lisboeta. Por sua vez, a formação de Armando Evangelista não parecia perspicaz o suficiente para desfazer o zero a zero, tanto que Bruno Marques parecia que já não ia tirar nada da manga e o Guardião de Belém impediu o golo de David Simão, na última grande oportunidade da partida.

11 Inicial FC Arouca

12.Emilijus Zubas/72.Thales Oleques (C)/ 13. João Basso/31.Tiago Esgaio/78.Tiago Araújo/ 5. David Simão/ 21. Leandro Silva/ 22. Alan Ruiz/ 27. Antony Alves/15.Oday Dabbagh/7.     André Silva

Suplentes

1.Victor Braga/ 3. Brunão Gonçalves/ 53. Abdoulaye Ba/6.Mateus Quaresma/60.          Marco Soares/10. André Bukia/ 19. Or Dasa / 99. Bruno Marques/8.Arsénio Nunes

Treinador: Armando Evangelista

11 Inicial Belenenses SAD

1.Luiz Felipe/2.Diogo Calila/14.Danny Henriques/ 32. Yohan Tavares/ 27. Chima Akas/21. Cafú Phete/ 8. Yaya Sithole/ 7. Pedro Nuno/19.Chico Teixeira/ 29. Abel Camará/ 77. Yves Baraye

Suplentes

31.João Monteiro/5.Nilton Varela/43.Martim Coxixo/ 45. Braíma Sambú/ 64. Rafael Camacho/15. Luís Mota/25.Alisson Safira/ 88. Licá

Treinador: Franclim Carvalho

Foto: FC Arouca