A Assembleia Municipal de Arouca reuniu na passada quinta-feira, no Salão Nobre do Paços do Concelho, naquela que foi primeira sessão transmitida on-line. Com uma agenda extensa o destaque foi, naturalmente, para a apresentação, discussão e votação do documento de prestação de contas de 2021. Tal como tinha acontecido no Executivo também Assembleia as aprovou por maioria, com a abstenção do PSD e CDS-PP. As despesas do município ascenderam a 16.885.949€. A Presidente da Câmara, Margarida Belém, destacou que o município, para além de se ter cumprido o princípio do equilíbrio orçamental economizou uma parte significativa das receitas correntes, no montante correspondente a €4.465.837,57, cerca de 28% do seu valor global, em grande parte afeto à cobertura de despesas de investimento, dando também ênfase ao facto da edilidade gozar de uma boa situação económica e financeira. Enquanto isso, o PSD, pela voz do líder da bancada, Óscar Brandão, criticou a falta de investimento, considerando ser muito negativo que as despesas correntes ultrapassem as despesas de capital.

Os autarcas aprovaram por unanimidade o Plano de Emergência e Proteção Civil, a delegação de competências nos agrupamentos de escolas, de Arouca, tomaram conhecimento da atividade municipal e elegeram como seus representantes ao Conselho Municipal da Saúde, a Presidente da Junta de Freguesia de Rossas, Maria Isabel Noite Brandão Paiva, ao Conselho Municipal de Educação, o Presidente da Junta de Freguesia de Mansores, Jorge Oliveira e renovaram o mandato a Francisca Duarte Alves da Cruz, na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Arouca.

Mais desenvolvimentos na edição impressa