André Silva e todo o seu génio deixaram o FC Arouca e seus adeptos em êxtase

Após um rol de sete jogos seguidos sem ganhar em casa, o FC Arouca quebra a maldição e fecha este ciclo com uma vitória frente ao Gil Vicente, que por sua vez já não sofria nenhuma derrota desde a partida com os leões, há 12 jornadas. Afinal não há mal que sempre dure, nem bem que nuca acabe. Todavia, esses 90 minutos foram de glória para André Silva autor daquele que muito provavelmente será um dos golos do ano.

Pité foi colocado à prova no triângulo do meio campo do Arouca, com David Simão e Leandro, pois Armando Evangelista não pôde contar com Pedro Moreira, que estava lesionado.  David Simão e Leandro formaram um par perfeito para diminuírem os possíveis estragos que podiam vir de Pedrinho e Fujimoto.

Este plano resultou na perfeição na primeira parte, que seguiu equilibrada, mas com pouquíssimas oportunidades para o Arouca, aliás um erro de João Basso, logo no início, quase resultou em golo de Fujimoto, todavia o croata Galovic emendou o desaire do parceiro. O FC Arouca tentava reavivar a partida, por lances de bola parada, mas as redes de Barcelos estavam bem ao fundo do túnel, no que respeitava a finalização.

Carlos Pinho acabou por ser expulso por protestos, junto ao árbitro Fábio Veríssimo, quando este amarelou David Simão e se encaminhava para tirar a prova dos 9 no VAR. Pouco depois o Presidente do Futebol Clube de Arouca sairia mesmo dos balneários, após se aperceber que David Simão tinha recebido mesmo cartão vermelho. Antes disso, o registo de equilíbrio mantinha-se, sensivelmente até ao minuto 44, quando David Simão fez esta entrada dura sobre Pedrinho.

Mudança de estratégia

Com David Simão expulso, assim como Carlos Pinho, terminava a primeira parte, e terminava também a até então estratégia de jogo, que teve de ser alterada devido a esta situação, totalmente inesperada. Entrou para o lugar de Bukia Tiago Esgaio, fazendo assim companhia a Galovic e Basso para completar o terceiro central, sendo que Thales e Quaresma estavam a fechar nas alas.

Ao despoletar do segundo tempo, o Gil Vicente apressava-se para pontuar, e já se previa um intensificar da pressão exercida pelo clube de Barcelos, ao desperdiçar pela figura de Fujimoto a sua melhor oportunidade, todavia Vítor Braga estava lá para travar a investida com os seus reflexos.

Aos 55`André Silva viria a concretizar o primeiro golo do Arouca, a equipa da serra da Freira, apesar de mais cautelosa, não estacionou à defesa de maneira que André Silva aproveitou o momento, após cruzamento de Arsénio. O momento da noite chegaria 4 minutos depois, pelo mesmo suspeito. André Silva, com um chapéu, antes mesmo do meio campo, atira e levou ao céu os adeptos do Estádio Municipal de Arouca. André Silva bateu Frelih, após Zé Carlos ter perdido a bola e, com um remate certeiro de pé esquerdo, acreditou e concretizou um golo de outro mundo.

Neste seguimento, os da casa fecharam-se em copas, frente a um Gil Vicente com bastante vontade, mas pouca concretização. Fujimoto, através de um remate à barra, e Élder Santana que deu um toque de vitalidade após saída do banco poucos foram os sinais vitais do Gil Vicente, que, mesmo assim, conseguiu fazer golo, já tarde e a más horas, através do remate de Lucas Cunha (90+2`). O georgiano Giorgi Aburjania ainda conseguiu ser expulso antes do 2-1 final por acomulação de amarelos. O Gil acabou o jogo com 10 elementos.

Texto Ana Castro

Foto: Pedro Fontes