No passado dia 5 de março, pelas 16h00, a autora Paula Costa apresentou a sua mais recente obra, “Eu ainda Acredito”, na Loja dos Doces Conventuais de Arouca.

Paula Costa nasceu a 29 de março de 1980, em Mafamude, Vila Nova de Gaia e reside, atualmente, em São João de Ver, em Santa Maria da Feira. Apesar de ter tirado o curso de técnica de contabilidade, Paula afirma não gostar de números, e sim de letras reiterando que “desde muito cedo me apaixonei pela leitura e pela escrita, não me vejo sem escrever, não saberia o que fazer.”

Na introdução do evento, a autora deu as boas-vindas, apresentou a obra, e referiu igualmente a sua paixão pelo romance, além da poesia, género literário com o qual se idêntica muito, acabando por passar a palavra a uma amiga, que também marcou presença no evento, e que acabou por ler três poemas da autoria de Paula Costa. No final da declamação dos mesmos, a escritora afirmou que é sempre bom ouvir alguém ler o que escrevemos, “principalmente quando alguém diz que se revê no que escrevemos.

A romancista reforçou que normalmente passa para o papel aquilo que está a vivenciar no momento, e que a obra “Eu ainda acredito” é baseada na história verídica da autora sendo cerca de 90 % do livro verídico, a mesma também acrescentou que há passagens que foram inspiradas em momentos que viveu em Arouca, junto das suas paisagens.

A professora de português Isabel Araújo, de Arouca, também convidada, declarou que se cruzou com PC na altura em foi sua formadora num módulo de um curso de contabilidade, confessando que achou a escrita desta obra muito bastante emotiva, e que despertava os sentidos, “pois tem bastantes descrições”.

“Desejo que a Paula prossiga e que conclua esta obra. É sempre bom vermos que os nossos alunos não desistem de um sonho que têm, e que se dedicam à escrita, independentemente de estarem na área da matemática ou das ciências.” Isabel Araújo aproveitou o momento para fazer uma transposição com o contexto que estamos a viver hoje-em-dia, pegando em duas palavras ESPERANÇA e CONFLITO (presentes no romance), para dizer que espera que o conflito entre a Rússia e a Ucrânia se resolva. 

A vereadora do pelouro da cultura, Claúdia Oliveira, também marcou presença na sessão de apresentação, e endereçou os seus parabéns à autora por acreditar no seu sonho, e por concretizá-lo, “por vezes a parte da concretização é a mais difícil”, acrescentando que sair da área dos números para as letras, (e vice-versa), é sempre um desafio. A autarca destacou que “como representante do município de Arouca, e em nome da Presidente da Câmara, é um gosto perceber o impacto que as nossas paisagens têm em por quem passa por cá”, referindo mesmo que os arouquenses devem ter orgulho naquilo que temos (território), e no impacto que causamos no outro.

A importância de acarinharmos os nossos autores foi ainda referida pela vereadora, que acredita que Arouca, desde sempre, foi um concelho de cultura a vários níveis. “Por isso é importante estarmos presentes, e dizer que esperamos o 2º livro.”

Paula Costa fechou a sessão acrescentando que não há muitos apoios para os aspirantes a escritores, confessando mesmo que, no dia em que enviou o livro para as gráficas, ficou sem trabalho, situação que obrigou a ela e ao marido a fazerem mais sacrifícios pois “existem muitos custos associados à publicação de um livro.”

Fique com a sinopse da obra:

Um romance baseado numa história verídica, quando tudo parece perdido uma nova força faz-te voltar a acreditar. Um livro que retrata a história de uma pequena princesa obrigada a crescer rápido demais, rebelde e incompreendida, com uma enorme vontade de viver e uma força atroz de triunfar, sem medo de lutar pelo que acredita, sem medo de perder, luta para vencer. Torna-se numa jovem guerreira, que vai descobrir o amor, mas a vida irá colocá-la novamente á prova!