Município de Castelo de Paiva avança com concurso público

O Cavalete do Fôjo é uma estrutura mineira desativada em 1968, localizada em Folgoso, na União de Freguesias do Couto Mineiro do Pejão, e foi inaugurado em outubro de 1952 para dar melhor resposta à atividade da exploração do carvão nesta zona do território municipal. Após um longo processo burocrático, e tendo em conta a degradação desta estrutura mineira, a Câmara Municipal de Castelo de Paiva avançou para a obra de requalificação, com financiamento assegurado e candidatura aprovada (Plano de Desenvolvimento Rural), tendo já lançado dois concursos, que acabaram por ficar desertos. No entanto na última reunião do Executivo Municipal, liderado por José Rocha, foi deliberado a abertura de novo concurso público para esta obra de requalificação, sendo o preço base do concurso de 296.873,97€, reforçando-se em cerca de 100.000€ face ao valor apresentado no último concurso.  

 O autarca paivense deseja agora que possam surgir propostas e se possa, finalmente, avançar com esta obra de requalificação, procurando dar alguma dignidade a esta estrutura mineira que é uma das marcas de referência da grandeza daquilo que foi a exploração carbonífera em Castelo de Paiva, valorizando também aquela área envolvente, que tem um excelente potencial turístico.

Nestes termos, a Câmara Municipal de Castelo de Paiva tem planos para esta zona mineira, anunciando a vontade de recuperar o edificado que sobreviveu ao passar dos anos, mas que se encontra muito destruído devido ao vandalismo e falta de manutenção do edificado, dando-lhe nova vida, numa intervenção que, segundo a autarquia paivense, insere-se numa estratégia de “valorização do legado do Couto Mineiro do Pejão”, que foi encerrado em dezembro de 1994.

No caso concreto do Cavalete do Fôjo, a Câmara Municipal avançou com uma candidatura a fundos comunitários e nesse âmbito, foi deliberado agora, pelo Executivo Camarário, a abertura de novo concurso público para as obras de requalificação, tendo em conta o interesse municipal naquele local. A ideia passa por recuperar o edificado sem retirar as características daquilo que era a exploração mineira, mas dotar este espaço mineiro de condições de segurança e de salubridade e, a partir daí, desenvolver uma estrutura que terá que envolver a comunidade local preservar a importância histórica, cultural e paisagística deste local.

Isto será levado a cabo em conjunto com a União de Freguesia de Raiva, Pedorido e Paraíso e, eventualmente, vir a promover a visita deste antigo equipamento mineiro, em boas condições de segurança sem retirar, no entanto, o contexto histórico desta estrutura mineira, que tem despertado bastante interesse junto da população e turistas.

O prazo de execução da empreitada será de 365 dias e terá início com a assinatura do auto de consignação.