Iniciava-se às 15h30 (hora continental), em Ponta Delgada, um jogo histórico entre CD Santa Clara e o FC Arouca, visto que as equipas nunca se haviam cruzado, em nenhuma disputa na 1ª Liga. O Clube da Serra da Freita vinha mais feliz da jornada anterior onde venceu na receção ao Boavista por 2-1, já a formação insular conseguiu um empate no Estoril por 2-2.

Apesar da motivação estar elevada em ambos os lados os açorianos ocupavam o último lugar da tabela (com apenas 7 pontos), enquanto que o clube da Serra da Freita era nono com 13 pontos. No que toca a alterações, relativamente ao último encontro que tiveram, Nuno Campos treinador do Santa Clara, fez apenas uma alteração, apesar de forçada, Morita que acusou positivo à Covid-19 teve de ceder o lugar a Anderson Carvalho. Armando Evangelista, por sua vez, foi pelo lema “em equipa vencedora não se mexe”, e manteve o mesmo onze que venceu ao Boavista.

O início da partida foi muito repartido, pois ambas as equipas quiseram entrar a dominar, principalmente no meio campo, no entanto, o FC Arouca deu os primeiros toques a pressionar bem alto nas linhas adversárias.

Bukia decidiu inaugurar os remates realizando um que acabou por sair ao lado, fez outro de seguida pelo lado direito, novamente sem sucesso. No instante a seguir Ricardinho e Rui Costa tentam combinar uma jogada, mas os planos saíram falhados devido às “mãos atentas” do gigante congolês Norbert Haymamba, guardião dos arouquenses.

A insistência de André Bukia é uma característica a que já nos habituou e, sem pedir permissão, voltou a atacar desta vez de meia-distância, mas não era a sua noite.

Notava-se a falta que Morita fazia aos açorianos, principalmente na capacidade que o médio japonês tem em realizar bons passes e em ter posse de bola, isto no início da primeira parte quando Mateus Quaresma levou cartão amarelo ao tentar rematar, mas ao faltar-lhe as forças para finalizar acabou pisando um oponente. Na cobrança do livre, que se seguiu à falta de Mateus , Norbert Haymamba do alto dos seus 2,05 m esticou-se e realizou uma defesa de “outro mundo” acabando por afastar para o canto, com grande classe.

Estavamos a meio da primeira parte numa altura em que o FC Arouca perdia gradualmente qualidade e o Santa Clara crescia no jogo, o que resultou num golo formidável de Cryzan, que ainda se suspeitou estar fora de jogo, apesar da incrível jogada, que contou com um passe de enorme qualidade e de trivela pela parte de Lincoln. Após o passe Cryzan faz chapéu e apenas encostou para uma baliza que estava aberta.

Aos 26`, Arsénio apareceu com toda a pujança na área açoriana, tenta picar a bola por cima do guardião Marco Pereira, mas a bola acaba por sair por cima, tudo se inicia com uma perda de bola de Oday Dabbagh, naquela que foi uma excelente oportunidade de pontuar para o Arouca.

Ao minuto 38 Cryzan fica em dificuldades, caído no relvado, acabando por receber assistência, e, apesar de António Nobre nada assinalar, ficou-se com a impressão de Campi ter empurrado o ponta de lança brasileiro. Pedro Moreira dá lugar a Altman, ao minuto 37`, devido a um problema muscular. Problemas estava também a ter a qualidade de jogo que diminuiu bastante para o final da primeira parte, tornando-se quase “aflitivo” de assistir, tal era a nervosismo do Santa Clara para não perder os tão valiosos pontos.

O suspeito do costume André Bukia ainda daria o ar da sua graça, antes do intervalo, ao fazer um remate colocado à entrada da área, mas Marco Pereira não lhe pretendia fazer a vida fácil e negou o ponto no seu terceiro remate à baliza adversária.

No final do primeiro tempo tudo era aproveitado para tentar fazer golo, Rui Costa, inclusive, perdeu uma grande oportunidade, ao surgir com espaço para rematar, mas ao acertar mal na bola faz com que o remate saia ao lado. Um minuto depois, Leandro Silva tenta a sua sorte, no entanto a bola embate num oponente.

Para sossego dos corações serranos Arsénio pontua aos 45+1`, ao realizar um golo incrível digno de levantar uma plateia inteira. O extremo na zona da grande área, e descaindo mais para a esquerda, remata para o local mais distante, deixando o guarda redes Marco Pereira imóvel.

De qualquer das formas a felicidade dos arouquenses seria sol de pouca dura, isto porque da jogada de génio entre Lincoln e Cryzan nasceu o (2-1). Lincoln chegou, olhou e abriu para o remate certeiro de Cryzan. Chegava assim ao fim a primeira parte de um encontro marcado pela grande qualidade do FC Arouca que, até ao momento, realizou um campeonato estável e certeiro e também por um Santa Claro que foi protagonista e que se mostrou com garra para permanecer na 1ª Liga.

Armando Evangelista decide no segundo tempo tirar Oday Dabbagh (15) e Quaresma (6) para a entrada de Tiago Esgaio (31) e André Silva (7). Parte esta que se inicia com cartão amarelo para Nené aos 49`, devido à falta que este comete sobre Arsénio, quando o extremo tentava um contra-ataque. Haymamba seguiu negando golos, não de forma fantástica, mas eficaz, acabando por o fazer aos 54`a Rui Costa, quando este esteve bem perto do golo.

Estávamos no minutos 58`,e Rafael Ramos via amarelo por falta sobre Esgaio. Era então altura, 62`, para Marco Pereira travar um cruzamento rasteiro que seguia em direção ao implacável André Silva, diminuindo desta forma possível dores de cabeça.

Ao minuto 65` no lado do CD Santa Clara entra Mohamed Bouldini e despede-se Ricardinho, no 5º jogo de Bouldini, sendo a 5ª vez que atua como suplente utilizado. De igual maneira entra Júlio Romão e sai Anderson Carvalho, 7º jogo para Julio Romão na prova.

Quase em simultâneo na equipa arouquense entra Antony Alves para a saída de Bukia, e entra Eugeni Valderrama para a saída de Leandro Silva.

Decorria, os 67`e André Silva decidiu despertar a partida, de qualquer das formas o remate sai fraco e à figura do guardião Marco Pereira. De seguida é marcado livre, aos 70`, após cartão amarelo sobre Eugeni Valderrama, pois o central travou da pior forma o contra-ataque conduzido por Lincoln. Pouco depois Haymamba defende com eficácia, após Lincoln bater e Cryzan cabecear com perigo para o Arouca aos 72`, salienta-se mais uma vez a qualidade do guardião do Arouca.

Altura de substituições aos 75`para o CD Santa Clara com a entrada de Paulo Henrique para render Rui Costa, e a entrada de P. Sagna para a saída de Rafael Ramos.

O capitão Thales Oleques desperdiça aos 80´aquela que foi a melhor oportunidade do FC Arouca na segunda parte, jogada que contou com uma defesa excecional de Marco Pereira, apesar de estar já assinalada falta sobre Boateng.

Daniel Ramos decide, ao minuto 81`, mexer de novo no jogo tirando Cryzan e fazendo entrar Jean Parick.

Pouco depois, e num lance ligeiramente confuso, aos 82`, André Silva não conseguiu realizar o desvio para a baliza, após o guarda redes Marco largar a bola, desperdiçando mais uma chance para o Arouca empatar. De salientar o passe irrepreensível de Arsénio para Antony, que acaba por perder o duelo com Marco, no último momento.

Aos 85′ Romão falha na cara de Haymamba, mas é assinalado fora de jogo, grande oportunidade falhada para definir, definitivamente, o destino do jogo, numa altura em que existia uma enorme disputa em campo. Só dava Arouca nos minutos finais, e, após uma grande oportunidade de Antony, mais precisamente, aos 88`, ocorre um choque entre Boateng e Marco Pereira, acabando o jogo por ficar interrompido.

Altman, aos 90+1`, rececionou e tentou picar a bola junto ao poste esquerdo, estando completamente isolado após uma jogada construída pelo lado esquerdo do Arouca, mas atirou ao lado. Podia ter feito mais e melhor. Quis fazer “bonito” ao tentar o chapéu e ficou bem feio na foto.

António Nobre acabou por conceder mais 5 minutos de compensação, e Gastón Campi viu mesmo o 2º amarelo na prova, em três jogos. Seguia agora o jogo com pontapé de canto para a equipa de Aveiro, que nesta altura tentava tudo e mais alguma coisa para pontuar novamente na ilha de São Miguel. Arouca pediu penálti por possível mão de Mansur aos 90+4`, mas fica a ideia de que nada aconteceu. Arsénio de seguida, 90+4` vê amarelo, o 3º na prova em 13 jogos. Jogo estava altamente competitivo no estádio de São Miguel.

Terminada a partida com resultado favorável ao Santa Clara, fica um jogo marcado por um futebol de altíssimo nível realizado por ambas as equipas, que fizeram tudo para vencer numa partida que não foi indicada a cardíacos.

Santa Clara

11 inicial – Marco; Rafael Ramos, Boateng, Mikel Villanueva, Mansur; Anderson Carvalho e Nené; Rui Costa, Lincoln e Ricardinho; Cryzan;

Suplentes: Ricardo Fernandes, João Afonso, Bouldini, Paulo Henrique, Romão, Jean Patric, Luiz Phellype, Keyta e Sagna;

 FC Arouca

11 inicial-Norbert Haymamba; Thales, Basso, Campi, Quaresma; Eboue Kouassi, Leandro e Pedro Moreira; Bukia, Dabbagh e Arsénio.

Suplentes-Victor Braga, André Silva, Altman, Pité, Eugeni, Antony, Tiago Esgaio, Abdoulaye e Tiago Araújo.

Texto: Ana Castro

Foto: Futebol Clube de Arouca