No passado domingo, dia 3 de outubro, foi identificado no Lar da Santa Casa da Misericórdia um surto de Covid-19, estão assim, segundo informações que o DD obteve na passada terça-feira junto ao Provedor Vítor Brandão, 86 utentes infetados, e 17 funcionários, tendo a situação já levado à hospitalização de 8 pessoas, das quais 4 faleceram.

São já mais 24 casos positivos dos inicialmente detetados. Há assim 86 utentes e 17 colaboradores que deram positivo. Continuam internados 5 idosos no Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga.

Apesar de durante 18 meses não se terem registado qualquer caso de Covid-19 nesta IPSS do concelho, agora, quase toda a totalidade dos utentes do lar da Misericórdia de Arouca estão infetados.

Este surto foi detetado no Domingo, dia 3 de outubro, após alguns utentes apresentarem sintomas da referida doença.

O provedor da Santa Casa Vítor Brandão referiu à tvi no dia 4 de outubro que «Na quinta-feira passada (dia 30) foram todos vacinados contra a gripe e no domingo seguinte (dia 3), começaram a ter sintomas de tosse, arrepios de frio e uns apresentaram febrícula. Começamos a dar paracetamol a todos eles, e já suspeitando que pudesse ser, não apenas os sintomas da vacina da gripe, mas sim de Covid, ontem de manhã testamos tudo. Em fevereiro deste ano toda a gente foi vacinada e isso só prova que a imunidade da vacina não é total, ou está a desvanecer, estamos a cerca de oito meses da toma da vacina e repare que alguém veio infetado e de repente contagiou várias pessoas.»

Ainda sem certezas quanto à origem do surto a instituição aponta como motivo do contágio a saída de cerca de 30 utentes para votar nas autárquicas, e também o facto de a vacinação já ter ocorrido há oito meses.

A gestão do surto está a ser gerido pela Santa Casa da Misericórdia de Arouca, que afirma garantir o isolamento de todos os casos

A primeira morte confirmada foi a de uma idosa, «cuja situação clínica já era de alguma gravidade, dada a sua dependência de suplementos de oxigénio e um historial já com várias paragens cardiorrespiratórias.». Seguiram-se após esta primeira mais 3 mortes.

Os idosos que ainda se encontram hospitalizados, encontram-se em situação «de alguma gravidade», e os restantes, que permaneceram nas instalações da IPSS estão «em condições estáveis». O Provedor Vítor Brandão adiantou ao DD que muitos dos idosos que se encontram nas instalações da IPSS que haviam dado positivo já estão a “negativar”, estando a maior parte assintomática. Vítor Brandão ainda reforçou, no passado dia 12, que a instituição iria voltar a testar os utentes do lar no dia 14 de outubro, tendo quase a certeza que muitos viriam a testar negativo à Covid-19.” Quando questionado sobre a possibilidade de o surto ter alastrado à unidade de cuidados continuados, Vítor Brandão garantiu que esta ala está a funcionar com toda a normalidade não possuindo qualquer caso positivo de Covid-19.

Texto Ana Castro

Foto Revista Sábado