A candidatura do partido Ergue-te à Câmara Municipal de Arouca esperou algum  tempo para verificar se alguma das outras candidaturas se pronunciava sobre o caso. Mas  nada… 

Como o caso até é de mais gravidade do que à primeira vista parece, vamos aos  factos. 

A Câmara Municipal registou no portal Base um contrato com um músico galego no  valor 22 mil euros (valor superior ao de outro concerto no nosso país. Esse contrato teria a  duração de um dia conforme está no dito portal. Depois de vindo a público o caso o  esclarecimento dado pela autarquia foi inconsistente. Era dois concertos, um intercâmbio,  etc e tal…  

Alguns dias depois é anunciado como concerto único. Afinal em que ficamos? Não  haverá artistas portugueses e arouquenses com igual ou superior qualidade? Porque não os  contrataram? Se a Câmara tem apoios do Norte 2020 esses apoios também são do dinheiro  dos nossos impostos. Não há almoços grátis!! 

Marcar um concerto rodeado desta pompa e circunstância no último dia de  campanha eleitoral é um desrespeito por todos os outros concorrentes que não possuem  essa forma de se “mostrar”. É também um atropelo à norma informativa da CNE de  18/02/2021. Na política não pode valer tudo e muito menos usar meios da Câmara  Municipal para se auto-promover. 

Nota final para o anúncio de um hotel do mosteiro. Fazê-lo perto das eleições revela  uma falta de ética de quem ocupa o executivo para além de ser contra todas as normas.  Não se pode fazer tudo a seu belo prazer , julgando-se superior a todos os outros.  

Arouquenses, a ala sul do Mosteiro vai deixar de ser nossa. As visitas que fazíamos  nas Colheitas e na recriação Histórica , estão agora dependente dos “novos donos” .

Texto de Anselmo Filipe Oliveira