Através de um comunicado divulgado na sua página de facebook, no dia 2 de setembro, o Município de Arouca exerceu o direito de resposta relativamente à notícia lançada pelo Jornal local Roda Viva, no dia 1 de setembro, no que respeita à contratação de um músico galelo pelo dobro do preço que o artista teria cobrado à Câmara de Famalicão. Segundo o órgão de comunicação o Município de Arouca teria assinado contrato com Carlos Nuñez no valor de 22 mil euros, por sua vez, este teria cobrado apenas 10.500 em Famalicão. Situação esta que o Município de Arouca negou através de um comunicado que o DD transcreve na íntegra.

«COMUNICADO | Concerto do músico galego Carlos Nuñez financiado a 100% por fundos comunitários

A propósito de notícia “Câmara de Arouca contrata músico galego pelo dobro do preço que o artista cobrou em Famalicão” publicada, ontem, 1 de setembro no sítio da Internet do jornal Roda Viva, o Município esclarece que:

O músico galego Carlos Nuñez irá atuar acompanhado pela Banda Musical de Arouca e pelo Grupo Cultural e Recreativo de Santa Maria do Monte, envolvendo um total de aproximadamente uma centena de arouquenses ligados a estas coletividades, num concerto adaptado especificamente para Arouca.

O concerto em Arouca, contrariamente ao noticiado pelo dito jornal e conforme consta no caderno de encargos, decorrerá no dia 24 de setembro, pelas 22h, no Mosteiro de Arouca, estando igualmente contemplado um segundo concerto com este mesmo artista galego e envolvendo outros arouquenses ligados ao movimento associativo local a decorrer no norte de Espanha, em data a agendar, ainda durante 2021.

A singularidade do concerto que envolve, como referido, a colaboração com coletividades locais, obriga a ensaios do músico com os diversos intervenientes, para além do ajuste do reportório, situações que não se verificaram no concerto dado pelo artista em Famalicão por ter atuado a solo. As especificidades da atuação em Arouca sustentam a diferença de preço cobrado pelo artista relativamente a Famalicão.

O concerto decorrerá no âmbito de candidatura apresentada pelo Município de Arouca ao Norte 2020 – Património Cultural – Programação em Rede – Imaterial, visando realçar a importância da Rainha Santa Mafalda no desenvolvimento de Arouca e de toda a região envolvente, a respetiva ligação desta a Espanha, bem como a valorização da polifonia.

Está assegurado o financiamento a 100% do valor do concerto ao abrigo do referido Programa Operacional Regional do Norte, ou seja, os honorários do músico galego são inteiramente suportados pelo Norte 2020.

Por último, o Município informa ainda que em momento algum, o jornal Roda Viva contactou, como o fez em situações análogas, a autarquia sobre este assunto para obter esclarecimentos sobre esta contratação.»

Foto: Website Carlos Nuñez