A Polícia Judiciária (PJ), juntamente com a GNR, deteve, no passado dia 21 de junho, três suspeitos de prática de crimes de homicídio na forma tentada, roubo agravado, violência depois de subtração, furto e falsificação de documentos. Os suspeitos terão sido aqueles que, em abril deste ano, assaltaram dois postos de combustível em Castelo de Paiva e Penafiel e possivelmente outro em Escariz-Arouca.

No posto de combustível, situado em Penafiel, os mesmos terão até efetuado disparos de caçadeira sobre os militares da GNR.

Num comunicado emitido pela PJ podia ler-se “a atividade criminosa do grupo que visava, essencialmente, roubos e furtos em postos de abastecimento de combustíveis, remonta a novembro de 2020, decorrendo de forma praticamente ininterrupta até à presente data. Neste período de tempo, foram efetuados vários roubos, com grande violência, nas áreas de serviço da A1, A3, A4, A7, A11, A25, A28 e A29, onde era subtraído, principalmente, dinheiro e tabaco.”

“os mesmos suspeitos levaram também a cabo inúmeros furtos qualificados, com arrombamento, em postos de abastecimento de combustíveis, supermercados, outros estabelecimentos comerciais e numa estação dos CTT, destruindo montras e arrancando grades, em diversas zonas do Norte e do Centro do País, designadamente Porto, Braga, Vila Real, Viseu, Aveiro e Guarda.”, esta informação também estava presente no comunicado.

Com idades compreendidas entre os 26 e os 32 anos e sem ocupação profissional, os detidos possuem vários antecedentes criminais. Estão, por isso, sujeitos a apresentações periódicas e um deles tem mesmo de permanecer na sua residência. Os alegados criminosos vão ser presentes a um interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação adequadas.