Foram aprovadas, na última segunda-feira, 31 de maio, em reunião de Câmara extraordinária, e por maioria, as contas do Município de Arouca, referentes a 2020. Os vereadores do PSD e CDS abstiveram-se.

De lembrar que a prestação de contas 2020 foi, pela primeira vez, organizada e documentada de acordo com o referencial contabilístico SNC-AP (Sistema de Normalização Contabilística para as Administrações Públicas).

Com a crise pandémica a marcar o último ano, também a execução da receita e da despesa municipal foi condicionada pela Covid-19, na proporção em que esta levou ao encerramento de diversos equipamentos municipais (piscinas municipais, Passadiços do Paiva, lugares de estacionamento pago, feira quinzenal, museu municipal, etc), e ao mesmo tempo ao atraso na execução das obras cujo financiamento é libertado à medida da realização da despesa.

A execução das GOP (Grandes Opções do Plano) atingiu, por sua vez, uma taxa de cerca de 74 % em termos financeiros e de mais de 103% ao nível da execução material.

De destacar a dívida a terceiros que diminuiu €418.432,89 em relação ao ano anterior, o equivalente a uma redução de 18,68%, sendo o nível de endividamento mais baixo (€1.821.204,93) desde que há registo em termos de contabilidade financeira, isto é, desde há, pelo menos, 19 anos.

O Município de Arouca continua a gozar de uma boa situação económica e financeira, com a autarquia a não ter pagamentos em atraso e integrar o grupo daquelas que apresentam o menor peso das despesas com o pessoal nas despesas totais, o melhor índice de dívida total, o menor prazo médio de pagamentos e o ranking dos melhores em termos de eficiência financeira e o ranking dos municípios de média dimensão melhor classificados globalmente.

MA