Vale de Cambra volta, a partir de hoje, à situação de alerta relativamente à Covid-19. Esse estado serve para as autoridades reforçarem a testagem e o isolamento.

Vale de Cambra já tinha estado sob alerta, no início do mês de maio. Como manteve nos dias seguintes uma incidência acima do patamar dos 120 novos casos por cem mil habitantes, volta a entrar, a partir de hoje em estado de alerta.

O objetivo deste estado é dar algum tempo para que as autoridades de saúde locais investiguem as causas, reforcem a testagem, o isolamento e controlem as cadeias de transmissão.

O Governo Português avaliou, esta quinta-feira, a situação epidemiológica do país e divulgou a lista de concelhos que seguem e dos que recuam no plano de desconfinamento.

No último relatório divulgado pelo Governo, de 21 de maio, o concelho tinha 94 casos por 100 mil habitantes, mas o número de casos tem vindo a aumentar e junta agora à lista de “alerta” com os concelhos de Chamusca, Lisboa e Salvaterra de Magos.

No que ao concelho de Vale de Cambra diz respeito, o presidente da Câmara de Vale de Cambra, José Pinheiro, tem alertado para o facto de o concelho continuar com níveis de incidência crescentes e esses níveis de incidência são motivo de preocupação.

Deixam de estar em alerta os concelhos de Albufeira, Castelo de Paiva, Fafe, Lagoa, Oliveira do Hospital, e Santa Comba Dão e mantêm-se os concelhos de Tavira, Vila do Bispo e Vila Nova de Paiva. Dois concelhos recuam (Arganil e Golegã), dois não avançam (Montalegre e Odemira), mas Lamego segue em frente.

Na reunião desta quinta-feira, o Governo tomou a decisão de prolongar a situação de calamidade, em todo o território continental de Portugal, até 13 de junho.

Recorde-se de que a situação de calamidade entrou em vigor em 1 de maio e foi renovada há duas semanas até às 23h59 horas do próximo domingo.