O CCR de Moldes é uma associação que foi fundada a 8 de setembro de 1973, com o objetivo de promover e divulgar a cultura e as atividades de teor Recreativo que contribuíssem para o esclarecimento e dignificação das pessoas. Atividades estas como concertos, recitais, conferências, colóquios, exposições, bailes, festas e eventos tradicionais. É da responsabilidade do CCR de Moldes facilitar a organização de secções especialmente voltadas para certas atividades que possam ser constituídas por associados e dependentes da Direção. A promoção do desporto e atividades ao ar livre para diferentes grupos etários, assim como fomentar, patrocinar, dentro dos fins a que se propõe, quaisquer outras realizações de reconhecida utilidade social e também pôr as instalações à disposição de atividades externas ao Centro. Estas são competências a adquirir para a concretização das finalidades que estes grupos têm estabelecidas.

As últimas eleições

Segundo o regulamento Interno da Associação, as eleições deveriam ter ocorrido no mês de dezembro, contudo, devido às restrições e imposições estabelecidas pelas diversas entidades, em consequência da Pandemia de Covid-19, estas só se realizaram no final de Março. A realização das eleições no limite máximo do período legal permitiu a aprovação dos Relatórios de 2020 e do Plano e Orçamento para 2021 pelos órgãos eleitos.

Bruno Sousa, tendo evidenciado um papel ativo na Direção, no anterior mandato, com a função de Tesoureiro, assumiu com “naturalidade” a Presidência da única lista que concorreu às últimas eleições do CCRM, no dia 28 do último mês de março. Este apenas impôs a condição de que a maioria dos órgãos diretivos aceitasse integrar a sua lista, em que outros dois órgãos, Mesa da Assembleia e Conselho Fiscal, eram encabeçados por José Américo Pereira e Nádia Bastos, respetivamente.

“Com uma equipa remodelada e reajustada, o Centro Cultural e Recreativo de Moldes reorganizou-se, para que, com uma equipa motivada, os seus projetos e desafios se concretizem e tenham deveras impacto positivo nos sócios e sociedade em que está inserido.”, adiantou a Direção.

Constituição dos Diferentes Órgãos

A Mesa da Assembleia Geral tem como Presidente José Américo Quaresma Pereira, Vice-Presidente Rui Santos Almeida e Secretária Maria de Fátima Pinto Gonçalves. O Presidente da Direção é Bruno Miguel Martins de Sousa, Vice-Presidente-Vítor Manuel Santos Almeida, Secretário Daniel Filipe Teixeira de Pinho, Tesoureiro António João Teixeira de Pinho, 1º Vogal, José António Pinho da Silva, 1º Suplente Maria José Duarte Pinho Rodrigues e 2º Suplente Júlio Martins de Pinho. Por Fim o Conselho Fiscal tem como Presidente Nádia Ribeiro Pereira Bastos, Vice- Presidente Susana Maria Silva Gonçalves e Secretário Marco António Bastos Pimenta Morais.

Balanço das atividades desenvolvidas nos últimos tempos

No período compreendido entre 25 de Março de 2018, data da tomada de posse dos Órgãos Diretivos do Centro, após uma série de anos em que o Centro esteve fechado, até março de 2021, todo o trabalho desenvolvido e os resultados alcançados só foram possíveis por força de uma equipa – CCRM, empenhada e motivada e por todos quantos colaboraram com trabalho, sugestões, donativos e serviços, ajudando a Associação no cumprimento dos seus objetivos a nível da cultura, do desporto, do bem-estar e recreio. Foi com este propósito que se procurou reerguer o Centro, oferecendo aos sócios e população em geral um leque de variadas atividades, num desafio exigente, procurando um envolvimento positivo e ativo da comunidade.” adiantou a Direção ao DD.

O conjunto de atividades realizadas abrangeu um leque extenso e variado na área do desporto, cultura e lazer com espetáculos de teatro, fado, festejos de Carnaval, cantar das Janeiras/Reis, comemorações das festividades Cíclicas, espetáculos musicais variados, música tradicional, convívios gastronómicos, passeios motorizados, celebração dos Santos Populares, atividades lúdicas, passeios temáticos, jogos tradicionais e bailes.

O Impacto da Covid-19 na Instituição

A crise pandémica que se iniciou em 2020, impediu a atividade normal da Associação. De salientar que o ano de 2020 foi o último ano de mandato da anterior Direção, que foi eleita em 2018, e da qual a maioria dos elementos transitou para o novo triénio.

A atual Direção salienta que esta incerteza na qual a sociedade mergulhou a nível global, não permitiu concretizar grande parte do Plano de Atividades para 2020,”plano esse que seria o maior e melhor de sempre desta Instituição, no entanto, a Associação não deixou de ter alguma atividade permitida e as despesas fixas de manutenção.”

O Plano de Atividades do Centro Cultural e Recreativo para 2021 é, sobretudo, como fizeram conhecer ao DD “realista e alicerçado na experiência adquirida nos últimos 3 anos da maioria dos diferentes órgãos”. O Plano vai assentar em atividades presenciais (caso elas possam acontecer), ao contrário do que ocorreu em março de 2020.

A Pandemia e os condicionalismo que esta impôs, nos quais tudo se pode alterar de uma altura para outra, obriga a que as Associações reajustem e idealizem as suas ações a curto prazo, o que dificulta a elaboração de um Plano de Atividades Concreto para o ano de 2021.

A Direção do CCRM afirma que, Este ano de 2021 será caracterizado por uma profunda imprevisibilidade sobre a evolução da Pandemia que dificultará um planeamento adequado e a sua concretização.

Plano de Atividades para 2021

“Em linhas gerais, o nosso plano de ação é o seguinte:

-continuação da melhoria dos espaços do edifício do CCRM e aquisição de equipamento;

-Tentar adquirir terreno da PT, junto ao edifício de Centro;

– Organizar alguns espetáculos musicais e a comemoração do aniversário do CCRM;

-Recrear uma desfolhada à moda antiga;

-Organizar serões de concertina e música tradicional;

-Proporcionar aos sócios e população atividades lúdicas;

-Promover a realização de caminhadas ou passeios de bicicleta;

-Participar no Torneio de Verão de Futebol Jovem;

-Fomentar a prática de ténis de mesa;

-Organizar bailes/convívios;

-Manter e dinamizar o site do CCRM

 O Plano de Atividades para 2021, de acordo com os objetivos definidos nos seus Estatutos e Regulamento Interno da Associação tem como finalidade, através de atividades/iniciativas diversificadas, contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos Associados e da População. “A forma como encaramos os desafios no primeiro mandato servirá de base para o futuro, mandato este que demonstrou também a nossa capacidade de nos batermos por esses objetivos, tendo consciência que ainda há para fazer mais e melhor.”

A linha orientadora para colocar estes objetivos em prática são a utilização de soluções estratégicas definidas por linhas prioritárias de intervenção, sustentadas pelos Recursos Humanos e materiais já existentes, e ainda por meios de financiamento, “pensamos orientar a Associação no sentido de reforçar a intervenção do CCRM como expoente máximo da intervenção associativa.

Os desafios exigem a capacidade de trabalho dos órgãos diretivos com o apoio e participação dos sócios para manter e reforçar os níveis de coesão e de interajuda, no sentido de continuar a garantir a estabilidade e sustentabilidade.”

Necessidade de Apoios/Carências da Freguesia de Moldes

Para que uma Associação local tenha bons resultados a nível de metas e objetivos é fundamental que obtenha apoios logísticos e financeiros das diversas entidades públicas, quer a Câmara Municipal, Junta de Freguesia ou particulares. Pelo que o DD conseguiu apurar muitos destes apoios são escassos, e não são concretizados na totalidade.

“Nestes três anos tivemos esse apoio mas ansiamos por um apoio ainda mais efetivo pois achamos que é necessário, e merecido, tendo em conta todo nosso trabalho desenvolvido, comparativamente a outras Associações. Mas sem a adesão e apoio dos sócios e população às diversas atividades não faz sentido o nosso trabalho, a nossa existência, e estes estiveram sempre presentes de uma maneira ou outra.”

Segundo a Direção do CCRM a Freguesia de Moldes, nas últimas décadas, por razões variadas, não acompanhou o desenvolvimento que se realizou em muitas outras Freguesias. Tornou-se por isso “multicarênciada”. Só com uma forte aposta das entidades capazes e com “gente” responsável para gerir os “destinos” da freguesia é que é possível alterar esse rumo, “desde que a população queira, porque o seu papel é deveras fundamental.”

“Podemos enumerar algumas dessas carências:

-Falta de instalação de infraestruturas sociais para idosos e crianças;

– Apoio social e escolar a crianças, idosos e desempregados;

– ATL para ocupação das crianças fora do horário escolar;

– Veículo para transporte de crianças e idosos;

– Requalificação urbanística do centro da freguesia local onde o Centro esta inserido;

-Melhor rede viária, incluindo caminhos florestais e a agrícolas e requalificar espaços públicos.

– Saneamento básico em toda a freguesia;

– Limpeza dos caminhos e dos rios e aproveitar o potencial desses mesmos rios em termos de lazer, desporto e turismo, criando parques temáticos e de laze;

– Preservação e requalificação do património natural e património rural;

-Maior apoio e incentivo das associações que tenham um papel relevante para a comunidade;

-Ordenamento e valorização da floresta, nomeadamente dos baldios;

-Incentivar a produção agrícola e promover o escoamento dos produtos;

– Alargamento e requalificação, com passeios, da estrada da Portela á Igreja e das Modernas ao Centro, passando pela Escola;

– Revitalização dos Polidesportivos da Freguesia;

-Preservação e requalificação do Património Natural- rio de Moldes e rio Paivó, e Património Rural-Moinhos e Alminhas, aproveitando esse potencial em termos de lazer, desporto e turismo;

-Com o apoio da Autarquia, Instituições e Associações, fixar a Freguesia de Moldes como um polo atrativo, promotor do desenvolvimento e proporcione condições de fixação de população mais jovem da Freguesia;”

O Presidente Bruno Sousa aproveitou ainda para fazer um agradecimento especial ao Dr.º José Américo a todo o grupo que aceitou pertencer à sua equipa e ainda “agradecer ao Tony Pinho por continuar o projeto que ambos iniciámos em 2018.”