Fundada em junho de 2001, a Associação Académica de Arouca (A3), tem como principal objetivo representar os estudantes de Arouca que se encontrem no ensino superior.

Depois de um período de inatividade, a associação voltou ao ativo há cerca de dois anos, com uma nova direção. O Discurso Directo esteve à conversa com o presidente Pedro Noites, para tentar perceber que atividades têm sido desenvolvidas em tempo de pandemia, e de que forma é que a Associação foi afetada pela Covid-19.

A Associação Académica de Arouca (A3) foi fundada a 5 de junho de 2001 com o intuito de representar todos os estudantes do ensino superior, quer seja, universitário, politécnico, particular e concordatário, naturais e/ou residentes do/no concelho de Arouca. Tem como objetivos agregar os estudantes universitários de Arouca em torno da associação e promover a sua inserção e a interajuda no mundo académico.

Em tempo de pandemia, muitas associações foram afetadas e a Associação Académica não foi exceção: “Já tínhamos muitas atividades pensadas e programadas que exigiam, na sua maior parte, a concentração de pessoas, pelo que tiveram que “ficar na gaveta” para puderem ser concretizadas, logo que seja possível”, afirmou Pedro Noites, presidente da A3.

Apesar disso, a Associação Académica de Arouca tem tentado reinventar-se e continua a promover algumas atividades, ainda que mais direcionadas para o online. “Dadas as limitações impostas pela DGS, resolvemos apostar em intervenções utilizando plataformas online. Surgiram, assim, as primeiras “Jornadas Académicas”, que se realizaram durante três dias. No primeiro dia, vários jovens universitários partilharam as suas experiências, dando o seu contributo para a discussão do tema “O que esperar da vida Académica?”. Nos outros dois a dias, foi abordado o tema “O que esperar do mundo do trabalho?” a partir dos excelentes testemunhos dados por jovens trabalhadores de Arouca e das intervenções de convidadas especiais, nomeadamente a Professora Paula Campos, docente no IPAM, e a formadora da Speak & Lead, Cátia Santos, que deram dicas muito importantes, não só para a primeira entrevista de emprego, como também para a construção do curriculum vitae. Foi uma atividade que teve uma ótima audiência e que, pelas mensagens que me chegaram, uma ajuda para muitas pessoas. Considero que esta ação foi importante para manter a proximidade com a comunidade estudantil e para que os estudantes continuem a olhar para a A3 como uma ajuda, como um pilar nas suas vidas académicas”, explicou, acrescentando que “as sessões estão disponíveis no Facebook da A3”.

Atualmente a A3 é constituída por 22 elementos, com a seguinte distribuição: Direção, 7 elementos; Mesa da Assembleia Geral, 3 elementos; Conselho fiscal, 3 elementos; Conselho Cultural/Recreativo, 3 elementos; Conselho pedagógico, 3 elementos e Conselho Desportivo, 3 elementos. Segundo Pedro Noites, “as funções de cada um enquadram-se no âmbito em que estão inseridos, para proporcionar um bom e regular funcionamento da associação. Refiro, no entanto, que todos se envolvem nas ações, independentemente do cargo diretivo que ocupam, de forma que os desígnios da associação académica de Arouca sejam alcançados”.

Principais vertentes de ação/atividades promovidas

“Como é do conhecimento geral, esta associação esteve inativa durante algum tempo. Há dois anos, por vontade de um grupo de amigos, foi reativada”, começou por explicar Pedro Noites. “Desde esse dia, temos tido como principal preocupação dirigir as nossas ações não só aos alunos do Ensino Superior como aos que pretendem ingressar na vida académica, sempre com o objetivo de agregar os estudantes universitários de Arouca em torno da associação e promover a sua inserção e a interajuda no mundo académico.

Iniciamos a nossa atividade com a organização da palestra “O que esperar da vida Académica?”, dirigida aos alunos do 12º ano, que decorreu na ESA, a qual superou as nossas expectativas, não só pela presença do grande número de estudantes, mas também pelos testemunhos, alertas e vivências partilhados pelos participantes. Foi um momento alto para início da nossa atividade enquanto direção. Na vertente desportiva, realizámos um Torneio de Basquetebol, aberto à comunidade, com fim solidário, já que foram arrecadados alimentos não perecíveis que foram entregues a uma instituição social do nosso concelho. Nesse evento, contamos com o apoio do Centro Juvenil Salesiano de Arouca, da Câmara Municipal de Arouca, do Meu Super Cavadinha e das empresas Fontes & Ribeiro e D’Eiras. No ano letivo 2019/2020 encetamos encontros entre estudantes do ensino superior nas cidades onde estudam. Já reunimos na cidade de Coimbra e vamos continuar com esta prática noutros locais, onde estejam estudantes de Arouca, assim que esta grave crise pandémica nos permita. Dou grande importância a esta atividade, porque além de proporcionar o convívio e a partilha de experiências, é uma forma de representarmos a nossa terra, Arouca, nas diferentes localidades.

Realizamos, também, a Noite Académica, uma festa que foi muito bem recebida dentro da comunidade estudantil de Arouca e que, para muitos, foi a afirmação do regresso da A3.

Todas elas têm sido atividades de sucesso, mas quero destacar, em especial, um grupo criado numa rede social onde se combinam boleias, se prestam esclarecimentos, se tiram dúvidas, se dá apoio na procura de alojamento e onde se “desabafa” da vida académica.

A presença da Covid-19 atenuou a nossa ação, mas mesmo assim procuramos manter-nos ativos. Creio que a ação de maior impacto durante a pandemia foi, sem dúvida, as Jornadas Académicas que decorreram, online, nos dias 20, 26 e 27 de março.”

A importância da Associação Académica de Arouca

Pedro Noites considera que a Associação Académica de Arouca “é uma das associações mais conhecidas em Arouca, desde a sua fundação em 2001, e tem tido um papel importante no processo de transição dos alunos do ensino secundário para o ensino superior”, afirmando ainda que “no mandato atual, já conseguimos ajudar alunos que estavam indecisos na escolha do seu curso e apoiamos alguns deles, quer na procura de alojamento, quer no processo de adaptação e inserção em diferentes universidades”.

“É certo que muitos dos jovens Arouquenses continuam com algum receio de abordar a A3, por não nos conhecerem pessoalmente, mas aproveito para dizer que não tenham receio de nos contactarem para o que precisarem. Temos pessoas de diferentes áreas de estudo, que estão sempre disponíveis para dar uma ajuda no que for possível”, apelou o presidente da A3.