No ano de 1820 nasce a receita inicial daquele que se tornaria um ícone da gastronomia regional de Arouca o tão aclamado e conhecido Pão-de-ló.

A receita original nasce no seio da Família Teixeira Pinto numa época talvez extraordinária, talvez diferente ou talvez apenas normal nas regras da boa educação e maneiras onde “os favores se pagavam com gentilezas”.

“Já passaram 163 anos desde que a madrinha da dona da casa começou a confeccionar o pão-de-ló para oferecer aos amigos. Na época o doce entrava somente na casa de doutores, abade, juízes ou bispos. Na cozinha, à volta da mesa, a pasta cremosa, de um amarelo forte, era amassada cuidadosamente, durante horas, para que o pão-de-ló saísse bem macio. Depois, dentro do forno de lenha o doce ia ficando lentamente cozido, ganhando tamanho, e nos intervalos em que a porta do forno se abria para verificar a cozedura, sentia-se o doce cheiro tão especial aos nossos sentidos. Não havia segredo, mas havia paciência e cuidado.”, contam Tiago e Isilda Brandão gerentes da Casa do Pão-de-ló apelando um pouco à grandiosa história deste doce regional.

Os pedidos e encomendas do famoso Pão-de-Ló começaram, progressivamente, a aumentar e, desta maneira, o doce começou a ser, finalmente, confecionado para venda ao público.

A Páscoa é, por norma, a época festiva com maior importância e preponderância na venda do Pão-de-Ló e da doçaria regional e conventual. É sem dúvida nesta altura que as pessoas mais compram Doces Regionais, conhecidos em todo país e “além-fronteiras”. Estes são os responsáveis por trazer ao nosso Concelho milhares de pessoas que nos visitam, ficando a conhecer um pouco da nossa história e cultura e contribuindo para o desenvolvimento económico da região.

*Para ler a reportagem completa consulte a versão impressa já nas bancas.

A.Teixeira Pinto Casa do Pão-de-ló de Arouca