No passado dia 11 de fevereiro, em formato online, a ADRITEM (Associação de Desenvolvimento Regional Integrado das Terras de Santa Maria) organizou o #1 Fórum para reflexão da “Estratégia de Desenvolvimento Regional de Terras de Santa Maria 2030”, sob o Tema “Inovação & Desenvolvimento Sustentável”. Esta iniciativa contou com 95 participantes e 58 organizações.

O evento teve início com a intervenção do Dr. Emídio Sousa, Presidente da ADRITEM, que através de uma breve caracterização das Terras de Santa Maria, destacou a forte componente industrial do território, a importância da reestruturação de respostas em áreas como a saúde e a educação, e a modernização dos edifícios (nomeadamente, os edifícios públicos). Por último, frisou o perfil empreendedor e dinâmico das pessoas das Terras de Santa Maria.

Após a sua intervenção, a sessão plenária 1 promoveu a análise dos 3 eixos estratégicos:

Eixo 1 – Desenvolvimento Regional, com a apresentação do Professor Doutor António Cunha, Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N). Durante a sua apresentação, efetuou uma análise das transições globais (digital, ambiental, energético-climática) e relevou a necessidade de investir numa nova indústria e numa reindustrialização. O orador retratou e descreveu, ainda, o aprofundamento dos eixos e objetivos estratégicos da Região Norte. Para a “nossa” região, apontou como uma solução a atração de mais investimento.

Eixo 2 – Inclusão Social e Emprego, com a apresentação do Dr. Filipe Almeida, Presidente da Portugal Inovação Social. A sua intervenção incidiu, inicialmente, na abordagem do conceito de inclusão social. Efetuou uma análise das condições socio-económicas dos mais idosos e das problemáticas associadas a esta faixa etária que conduzem ao isolamento social. Por outro lado, para os mais jovens, o orador referiu que as desigualdades sociais são mais visíveis nos dias de hoje, nomeadamente, com a “dificuldade de acesso à tecnologia” e “inexistente capacitação digital”. Ao nível da empregabilidade, indicou, através de dados estatísticos, a “premência” na requalificação dos empregadores e dos trabalhadores. Por último, apontou como soluções para as problemáticas apresentadas o empreendedorismo feminino, soluções de coaching e o incentivo aos negócios sociais. Para as Terras de Santa Maria, frisou a necessidade de promover novos mecanismos de atração para evitar a “fuga” de população e a captação de novos residentes.

Eixo 3 – Emprego e Competitividade, a cargo do Dr. Luís Miguel Ribeiro, Presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP). A sua apresentação focou na importância da aposta na “nossa” indústria e na valorização da produção nacional. Para a “reconquista do mercado internacional e para o aumento da exportação das microempresas”, o orador apontou como solução o estabelecimento de sinergias com os portugueses espalhados pelo mundo. De acordo com o Dr. Luís Miguel Ribeiro, para acompanhar o ritmo internacional, o setor industrial português deve investir nas áreas da tecnologia, inovação e digitalização e na requalificação dos empregadores e dos trabalhadores. Após esta sessão, os participantes reuniram-se em grupos de trabalho (Eixo 1,2 e 3).

Na sessão plenária 2, foram apresentadas as principais conclusões referentes a cada temática, com a identificação dos desafios, oportunidades e recursos, agentes e intervenientes na resposta e diretrizes para o Futuro.

A Dr.ª Cristina Azevedo caracterizou as Terras de Santa Maria 2030 com a frase: “Vocação para crescer”, apontou as conclusões finais, alinhadas com as fragilidades e objetivos do território, e focadas em 3 eixos estratégicos: crescimento sustentável, crescimento inteligente e crescimento inclusivo.

Por último, a Eng.ª Teresa Pouzada reiterou o agradecimento pela presença e contributos de todos para a construção da estratégia das Terras de Santa Maria. A iniciativa foi para a Diretora Executiva da ADRITEM uma “inspiração para outros momentos de reflexão”, reforçando o valor dos resultados/conclusões do evento para o futuro do território.

Sobre a ADRITEM

A ADRITEM é responsável pela gestão intermediária de fundos comunitários e pela execução de projetos de desenvolvimento local. A sua ação centra-se em fixar a população rural; promover a melhoria das condições de vida das populações mais desfavorecidas; preservação do património natural, ambiental, cultural, etnográfico, arqueológico e

turístico; apoiar o desenvolvimento económico e social através de iniciativas de criação de emprego; promover e comercializar produtos locais de qualidade; promoção da região e do país no exterior; desenvolvimento socio-económico da região.