A vacina contra a Covid-19 chegou a Portugal em finais de dezembro e veio trazer alguma esperança a toda a população. Os profissionais de saúde foram os primeiros a ser vacinados sendo que, de acordo com as regras da Direção Geral de Saúde, após a vacinação dos profissionais de saúde nos hospitais, segue-se a vacinação aos idosos alojados em estruturas residenciais, bem como funcionários das instituições. E assim decorreu um pouco por todo o país.

Em Arouca, na Santa Casa da Misericórdia, a vacinação decorreu no dia 19 de janeiro, a utentes e funcionários da Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI – Lar da terceira Idade), bem como pessoal médico e outros colaboradores.

O Lar da Santa Casa da Misericórdia foi a primeira estrutura do concelho a ter acesso à vacina por não ter tido qualquer caso positivo desde o início da pandemia. “Não tivemos um único caso positivo de Covid-19 no Lar, tivemos sim 12 casos na Unidade de Cuidados Continuados, mas que não teve nada a ver com o Lar”, afirmou Vítor Brandão, Provedor da instituição.

No Centro Social de Canelas e Espiunca a vacinação decorreu no dia 21 de janeiro e foram vacinados 10 utentes e 15 funcionários. Ficaram por vacinar 5 pessoas, 4 utentes e 1 funcionária: “Estes 5 utentes não foram vacinados porque 3 são alérgicos à penicilina e um está internado, terão de ser vacinados em meio hospitalar e não domiciliário”, afirmou Márcia Reis, diretora técnica da instituição, que foi a funcionária não vacinada por se encontrar grávida.

Já no Centro Social de Chave foram vacinados 24 utentes e 24 funcionários, no passado dia 19. Dois utentes e três funcionários serão encaminhados para vacinação em meio hospitalar por serem alérgicos à penicilina, uma utente desenvolveu uma infeção urinária e também não foi vacinada, 3 novos utentes que entretanto chegaram à instituição também aguardam a vacinação, tal como dois funcionários que na altura tinham testado positivo à Covid-19 cerca de 15 dias antes da data da vacinação. Prevê-se que estes utentes e funcionários tomem a 1ª dose da vacina no dia em que os restantes recebem a 2ª dose.

Também na Casa do Povo de Santa Cruz de Alvarenga foram vacinados no dia 20 de janeiro, 59 utentes e dezenas de funcionários.

O Centro Social de Santa Cristina de Mansores e o Centro Social e Cultural de Fermedo/Escariz e Mato, por terem apenas centro de dia e apoio domiciliário, ainda não receberem a vacina, estando a aguardar indicações nesse sentido.

Todos os representantes das instituições com quem falamos afirmaram que, no dia da vacinação “todos os utentes estavam calmos, contentes e até esperançosos”, sendo que houve mais receio por parte dos funcionários, mas tudo correu dentro da normalidade e ninguém teve qualquer reação.

A 2ª dose de vacinação está prevista para esta semana, a partir de dia 9 de fevereiro (inclusive).

Vacinação também já aconteceu nos lares de Vale de Cambra

Em Vale de Cambra, o Centro Social e Paroquial de S. João Batista de Cepelos foi o primeiro lar do concelho a receber a vacina contra a covid-19, no dia 21 de janeiro. No total, foram vacinados 21 utentes e 21 funcionários.

Já na Fundação Luiz Bernardo de Almeida, instituição onde se verificou um grande número de infetados na primeira vaga, foram vacinados, no passado dia 22 de janeiro, 77 dos 82 utentes e mais de uma centena de funcionários. Cinco utentes não foram vacinados por terem de o fazer em meio hospitalar.

Também no dia 22 foram vacinados 87 utentes e 86 funcionários do Lar de Burgães da Santa Casa da Misericórdia de Vale de Cambra. “173 utentes e colaboradores foram vacinados numa jornada intensa, mas que nos permite a esperança de uma normalidade que tanto ansiamos”, afirmou a instituição na sua página de facebook.

A 2ª dose está prevista para dia 12 de fevereiro.