O núcleo do Bloco de Esquerda do concelho de Arouca lançou, hoje, (7 de fevereiro), um comunicado de imprensa que o jornal Discurso Directo transcreve na íntegra.

            “Ao longo do ano de 2020 foram surgindo um conjunto variado de pedidos de adesão ao Bloco de Esquerda oriundos de cidadãos que habitam ou trabalham no concelho de Arouca. Esses mesmos pedidos de adesão são na sua grande maioria oriundos de jovens com idades inferiores a 30 anos, fruto de uma juventude Arouquense que se quer fazer ouvir.

            O núcleo do Bloco de Esquerda no concelho de Arouca é composto por militantes bastante diversos, oriundos de várias áreas profissionais e estudantis. Apesar da existência do partido ser relativamente recente no município, a vontade de arregaçar as mangas e lutar por melhores condições de vida para os munícipes é igual ou superior a de outros partidos com um maior histórico de implementação autárquica no concelho.

            Devido à génese natural do Bloco de Esquerda, onde a igualdade participação estatutária é garantida, o núcleo do partido no concelho de Arouca é bastante participado internamente sem qualquer tentativa de elitismos e vícios partidários reprováveis. Dito isto, por uma questão representativa, o núcleo elegeu a militante Sandra Ferreira, estudante de Arqueologia na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, habitante na freguesia de Arouca e Burgo, para porta-voz do partido no concelho.

            A 24 de janeiro foi reeleito o presidente Marcelo Rebelo de Sousa, sendo preocupantes os resultados no concelho de Arouca em relação à visibilidade ocupada pelo candidato da extrema-direita. O partido no concelho, e na generalidade de todo o país, está numa reflexão conjunta entre a base militante e os dirigentes do Bloco. Dito isto, estando tão próximos ainda de um rescaldo de umas eleições presidenciais, o processo de ponderação e de participação numa candidatura autárquica em 2021 no concelho de Arouca ainda é bastante recente, não descartando nunca essa mesma possibilidade.

            Neste momento, o centro da nossa ação prende-se com a denúncia das várias debilidades que facilmente se constatam no concelho de Arouca, fruto da gestão do executivo do Partido Socialista. Focamos a nossa ação reivindicativa nas seguintes áreas: acessibilidades e barreiras arquitetónicas; ambiente; serviços públicos; educação; transportes públicos; gestão da água; acesso ao desporto e à cultura; etc.

            Apesar da focalização de um núcleo de um partido numa autarquia ser mais direcionado para as questões de gestão local, não deixaremos de ser uma voz reivindicativa perante questões nacionais. Entre elas: abusos laborais, crimes ambientais, gestão de verbas, etc. 

            Acreditamos que a presença de um partido como o Bloco de Esquerda num concelho como Arouca é fundamental na preservação da democracia local e na melhoria da qualidade de vida de todos os seus habitantes. Os Arouquenses poderão contar com um Bloco fiel às suas palavras e aos seus compromissos políticos. Um partido que prima pela proximidade e que está aberto para todas e todos aqueles que queiram ter um papel ativo dentro do mesmo.

            Está na hora de fazer a luta toda!”

O Núcleo do Bloco de Esquerda em Arouca,

Arouca, 07 de fevereiro de 2021.