Arbitragem duvidosa aumenta ciclo negativo do FC Arouca


Com as entradas de Ofori, André Silva e Adílio, a render Leandro Silva, Heliardo e Bukia no 11 inicial, o FC Arouca começou o encontro em Chaves da pior forma. Quando ainda nos 10 minutos iniciais viu Adilio cometer uma falta algo duvidosa, que viria a ser convertida por João Teixeira, assistindo Luis Rocha para o tento inaugural.


A exibição por parte do FC Arouca foi em crescendo e começou a aproximar-se da baliza flaviense defendida por Paulo Vítor. Marco Soares, num pontapé livre obrigou o guardião brasileiro a aplicar-se e defender para canto. Ainda antes da primeira parte lance de entendimento na direita, com Thales a procurar fazer a sobreposição sobre Adílio que encontrou Quaresma, que não teve mira pra disparar.


Ao intervalo, Marco Soares saiu para dar lugar a Leandro Silva, e o Arouca continuou com a tomada ligada à ficha enquanto que o GD Chaves se limitava a defender o resultado, contudo ao minuto 59’, o árbitro da partida Rui Lima, viu o que mais ninguém viu e assinalou uma falta inexistente e fora de área como grande penalidade, num lance onde o teatral Roberto aproveitou para chocar contra Victor Braga. Luis Rocha chamado a bater não desperdiçou e ampliou a vantagem para 2-0.


Os arouquenses não baixaram os braços e continuaram a dominar por completo a partida, e aos 70’ minutos Arsénio fora de área rematou para a gaveta e reduziu a desvantagem. A iniciativa continuou da equipa visitante que viu o seu jogo ser quebrado por faltas consequentes.


O domínio do FC Arouca foi claro tendo dominado desde a posse de bola até aos remates enquadrados, faltou ainda a eficácia que estava do lado dos visitados. Desta forma, os comandados por Armando Evangelista terminam a primeira volta da Liga Portugal 2 Sabseg com 24 pontos, naquele que é até agora o pior ciclo da época.