XCVII – Rodrigo Luís Malafaia Mascarenhas e Castro

Nas Memórias Paroquiais de 1758, que foram feitas a todos os Párocos do País, com vista a ser
realizado um Dicionário Geográfico de Portugal, no inquérito sobre a freguesia de Arouca, no item em
que se pedia que informasse: «Se ha memoria de que floreseram ou della sahiram alguns homens
insignes de virtude, letras ou armas?», o Cura da freguesia, João dos Santos Reis, informou: «Respondo
que desta villa sahiu hum homem grande em armas chamado Rodrigo de Malafaia, o qual mataram com
hum tiro na cidade de Lisboa».
Na verdade, no último quartel do séc. XVII, na Casa Grande dos Malafaias, sita na então rua
Darca, desta vila, nascia Rodrigo Luís Malafaia Mascarenhas e Castro.

A CASA GRANDE DOS MALAFAIAS

Foi baptizado a 20 de Abril de 1688, na Igreja de São Bartolomeu de Arouca. Era filho do capitão-
mor Diogo Malafaia de Mascarenhas e D. Ana de Portugal Meneses e Castro. Faleceu a 16 de Março de
1725, em Lisboa.
Seguiu a carreira militar, distinguindo-se principalmente nas lides da Guerra da Sucessão de
Espanha (em que Portugal esteve envolvido), que decorreu entre 1701 e 1712.
No Arquivo Nacional da Torre do Tombo, na Chancelaria do rei D. José I, no Livro Geral das
Mercês, com o n.º 6, sobre Rodrigo Luís Malafaia Mascarenhas e Castro, encontra-se o seguinte: «…
Rodrigo Luiz Malafaya de Castro natural de Arouca e filho de Diogo Malafaya Mascarenhas obradas na
Cavallaria da Província do Alentejo, Principada de Catalunha, e nesta Corte por espaço de vinte e hum
annos; outo mezes, e vinte e sete dias, em praça de soldado, no posto de Alferes, Tenente, e ultimamente
capitão continuados de dezanove de Mayo de mil setecentos e trez até dezasseis de Março de mil sete
centos vinte e cinco em que faleceu no de mil setecentos e cinco asistiu no rendimento das Praças de
Valença, e Albuquerque no citio de Badajós, e na Campanha do Outono, na entrada que se fez em
Castella a destruir os Lugares de Castelejo, e Almendro, que forão saqueados depois de huma vigorosa
defença, matandosse ao Inimigo mais de trezentas pessoas, e cento e cinquenta feridos, e prezioneiros,
executando acções munto vallerosas, e intrépidas adiantandosse a todo o corpo do exercito, carregando
a rectaguarda do Inimigo por espaço de meja Legoa distinguindosse munto nesta occazião; no choque de
Brosses, Citios, e rendimentos das Praças de Alcantara, Moraleja, Ciudad Rodrigo, e passagem do Rio
Teta, na rectaguarda de Inhesta, onde se lhe passou com huma balla o cavalo em que hia montado; e em
todas as mais operações que se fizerão penetrando o exercito os Reynos de Castella, até o de Valença,
obrar tudo com grande valor; no de mil setecentos e sete, sendo já Tenente de Cavallos; ser hum dos que
na Batalha de Almança teve Grande Trabalho em formar o corpo dos desmandados, e sendo carregado

pello Inimigo muntas vezes, na retirada de Melpuche lhe matar o cavallo em que hia montado; no de mil
setecentos e outo sendo já Capitão de Cavallos, e nos varios encontros que houve junto ao Lugar de
Benavente com os Inimigos, ficar algumas vezes com huma piquena partida na rectaguarda rebatendolhe
o seu impulço com o mayor vallor, e comintancia; no de mil sete centos e nove na Campanha de
Bellaquer, que durou alguns mezes fazer guardas piquetes e destacamentos, asignalandosse
vallerozamente quando se carregou a rectaguarda aos Inimigos e no de mil setecentos e dez achouse no
canhonado do dia de Santo António, choque de Almanara, destacamento, digo e no choque de
Candasnos, ser mandado a picar a rectaguarda do Inimigo o que executou tão furiosamente, que lhe
prizionou alguns cavallos, fazendolhe muntos mortos, e feridos, e na batalha de Saragoça, onde lhe
matarão o cavallo em que andava montado; achasse no destacamento das fronteiras de Aragão, e
Navarra, e Castella; e na batalha de Biruega proceder tão vallerozamente; que metendosse pelo Meyo
dos Inimigos lhe tirou hum Estendarte do regimento da Cavallaria de Granada, e depois de o entregar
restaurar outro das nossas Tropas, que os Inimigos Levarão, e hindo o exercito e retirada para Aragão
depois da batalha, recolher algumas Tropas que se havião espalhado, e retirado a Saragoça,
desprezando sempre os perigos por se assignalar no Real Serviço; no de mil sete centos e onze sendo
precizo retirarsse do Castelo de Serba a guarniçam que nelle estava subter com o seu regimento o
Inimigo, que a impedia; e seguindoo na rectaguarda lhe fez mais de cincoenta prezioneiros no de mil
setecentos e doze na Capinha que durou de vinte e outo de Julho até Novembro servir de Ajudante real;
no de mil sete centos e treze, e mil sete centos e quinze passar a exercitar o dito posto de Capitão de
Cavallos a esta Coroa digo Corte portando-se com muito Luzimento e esplendor da sua pessoa».
Por estas descrições se pode ajuizar o seu valor como militar de carreira.
Convém lembrar que seu pai Diogo Malafaia Mascarenhas, e o seu avô, Domingos Malafaia
Mascarenhas, foram capitães-mores de Arouca, e descendiam de uma família de militares, que tiveram
grande intervenção, principalmente nas lides do norte de África, nos inícios da saga da expansão
portuguesa nos denominados Descobrimentos Portugueses.
Também do lado de sua mãe, D. Ana de Portugal Meneses e Castro, era neto de Jacinto Borges de
Carvalho, da Torre de Moncorvo, que como militar se distinguiu «na infantaria e cavallaria nas
Províncias de Tras os Montes, e Alemtejo, no Principado de Catalunha, e nesta Corte, por espaço de
vinte e quatro annos», e atingiu o posto de «Tenente Coronel, e Coronel de hum dos regimentos desta
Corte», e mais tarde foi «Inviado extraordinário na Corte de Londres» e «assistiu a entrada que a
Senhora Raynha de Grão Bretanha feito neste Reyno pela Praça de Almeyda» e «em seis centos noventa
e tres hir com o seu regimento a cidade do Porto guarnecer as Marinhas do Minho de Azuras, até São
João da Foz».

Por: Alberto de Pinho Gonçalves