Através de um trabalho em rede, resultante de uma estratégia articulada de educação para a cidadania jovem, entre a HD – Horizon Diversity e a Câmara Municipal de Arouca, o 1.º Festival de Cidadania de Portugal, que decorrerá a 12 de dezembro sob o mote “Sobreviver ao presente para enfrentar o futuro”, propõe-se a promover a participação cívica e o voluntariado jovem, a empoderar e capacitar os jovens e as associações juvenis enquanto agentes ativos de intervenção comunitária e a potenciar estratégias de motivação e inovação social geradoras de uma maior e mais robusta participação e intervenção cidadã.

O evento decorrerá no dia 12 de dezembro, e face ao contexto de pandemia da Covid-19, será transmitido em formato digital, contando apenas com um número reduzido de convidados que estarão num estúdio montado numa fábrica em Arouca, fazendo valer-se deste meio industrial para debater o futuro da cidadania. Na lista de convidados confirmados podemos encontrar a Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, que participará na discussão e definição de estratégias futuras para incrementar a cidadania jovem.

Também da lista de convidados confirmados podemos encontrar vários jovens ativistas de todo o país, de entre os quais se destacam Tiago Manuel Rego, Presidente da FNAJ – Federação Nacional das Associações Juvenis, Alma Rivera, Deputada à Assembleia da República, Seco Duarte Nhaga, Presidente da RENAJ – Rede Nacional das Associações Juvenis da Guiné-Bissau, Bianca de Castro, ativista do movimento Friday’s For Future (movimento pelo clima), Miguel Mazeda aka Guel Do It, artista visual e autor do mural de homenagem aos profissionais de saúde do Centro Hospitalar de V.N. de Gaia. Margarida Belém, Presidente da Câmara Municipal de Arouca irá partilhar estratégias potenciadoras da participação autárquica dos jovens e a Professora e Investigadora Inês Pereira fará uma comunicação sobre o potencial do ativismo digital como estratégia de intervenção comunitária.

O festival contará com a participação de jovens de todo o país, num formato adaptado às novas exigências que vivenciamos. Na fábrica, preparada para o efeito, estarão alguns oradores que levarão a cabo várias Youth Talks e workshops, criando um espaço de partilha de experiências reais, concretas e diretas de jovens que fazem da cidadania a sua forma de estar na vida. A par disso, estão previstos momentos de capacitação entre pares e espaços que contarão com a presença de alguns especialistas, que vão auxiliar a planear o futuro da cidadania e da participação jovem na vida das comunidades.

“A Juventude tem sido uma das preocupações centrais do nosso Executivo, estando em desenvolvimento e implementação um conjunto de dinâmicas dirigidas aos nossos jovens. O envolvimento destes na sua comunidade local é fundamental. Basilar também para o futuro do nosso mundo é a construção de cidadãos informados e ativos, pelo que iniciativas como o Festival da Cidadania são fundamentais para refletirmos sobre o futuro que queremos, mas acima de tudo o papel que queremos assumir nesse futuro. Jovens hoje, líderes amanhã, cabe-nos a nós construirmos pontes para que os mais jovens da nossa comunidade possam fazer connosco este caminho e dar-lhe continuidade”, afirma a Presidente da Câmara Municipal de Arouca, Margarida Belém.

Já Cátia Camisão, presidente da HD, entidade copromotora do evento, refere: “Queremos perceber o que move os jovens ativistas e os jovens cidadãos de Portugal, naquele que é o seu envolvimento comunitário. Pretendemos saber o que inspira os e as jovens portuguesas e de que forma olham para a cidadania nas suas mais variadas expressões, desde a arte, ao associativismo, aos direitos humanos, às manifestações ou à política, tentando perceber como poderemos potenciar e reforçar a participação e a intervenção cívica dos jovens no futuro”. “Queremos construir novas respostas para os desafios atuais, permitindo que os jovens continuem a poder construir soluções inovadoras e disruptivas para responder às necessidades das suas comunidades. Acreditamos que somos capazes de inspirar outros jovens a envolverem-se de forma ativa e eficaz nas suas comunidades “, conclui. CMA