Adriano Magalhães, residente no Burgo, enviou para a nossa redação um texto acerca da Toponímia do Burgo. No documento começou por afirmar o seguinte: “recentemente foi noticiado, na imprensa local, que a nova toponímia foi aprovada em reunião do executivo camarário, sob proposta da Junta de Freguesia depois de sufragada, por unanimidade, em Assembleia de Freguesia. Consultado um número alargado de residentes no Burgo, parte tinha conhecimento do processo pela notícia da sua conclusão na imprensa local e os restantes desconheciam completamente o assunto, contactados/ouvidos no âmbito do processo zero”.

Segundo Adriano Magalhães, tal situação suscitou várias questões:

Qual a data e local da realização da referida Assembleia de Freguesia?

– Quantos participantes, para além dos eleitos, estiveram presentes na Assembleia de Freguesia?

– A referida Assembleia foi convocada apenas nos termos habituais?

– Foram utilizados outros meios para divulgar a sua realização junto da população residente no Burgo? Quais?

– Quando foi realizado o “trabalho de campo”?

– Na sua execução, foi feita a audição dos residentes em cada rua/lugar?

– Foi deixado aviso, nas caixas de correio dos ausentes, a informar que o processo se encontrava em curso e a indicar a forma de poderem intervir, no caso de estarem interessados?

Informou a Junta da União de Freguesias de Arouca e Burgo que “os contactos e consequente audição dos fregueses da antiga freguesia do Burgo, foram feitos por membros do executivo ao longo do ano de 2016”, tendo a proposta de topónimos resultante sido entregue à Câmara, ainda nesse ano, para validação. E, ainda, que as reuniões de Assembleia de Freguesia, “são sempre convocadas cumprindo escrupulosamente a lei e o regimento”. Aproximando-se o final do segundo mandato autárquico após o processo de agregação das freguesias, afigura-se o momento adequado para a população residente no Burgo fazer o balanço da sua experiência.”, afirmou ainda Adriano Magalhães.

Que benefícios tiveram os residentes no Burgo com o desaparecimento da sua Junta de Freguesia? O que perderam?”, disse, a concluir.