O evento teve este ano a sua maior edição de sempre, durante oito dias levou o cinema às cidades de S. João da Madeira, Porto e a várias instituições arouquenses.

Um workshop onde a magia do som no cinema foi retratada e revelada aos formandos fez parte do programa, bem como provas de vinho, sessões de yoga, dança e teatro.

Para o diretor do festival, João Rita, “esta foi a maior e melhor edição de todos os tempos, onde a magia do cinema esteve sempre presente, e os espectadores encontraram um bilhete mágico para poderem ser felizes”, referindo ainda que “o cinema é especial e nós torna-mo-lo ainda mais especial”.

O filme “Soldado Milhões”, dos realizadores Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa, venceu este domingo a Lousa de Ouro na 17ª edição do Arouca Film Festival, pela sua abordagem a uma história do herói português na Batalha de La Lys. Durante a Primeira Guerra Mundial, Portugal enviou 75 mil homens para a Flandres. O soldado Milhais era um deles, veio a revelar-se um herói e recebeu a mais alta honraria nacional, a Ordem Militar da Torre e Espada.

Entre Sombras”, trabalho de animação de Alice Guimarães e Mónica Santos, arrecadou a Lousa de Prata, recebendo ainda o prémio para a melhor ficção do certame.

É, sem dúvida, o reconhecimento do trabalho que os festivais de cinema e cineclubes têm desenvolvido junto do público com cinema português está a dar resultados. As pessoas começam a gostar e a querer ver mais cinema nacional”, disse o director do festival, João Rita.

A edição deste ano do festival internacional contou com 55 filmes a concurso.

Vencedores 2019

Lousa de Ouro – SOLDADO MILHÕES | Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa | Portugal

Lousa de Prata – ENTRE SOMBRAS | Alice Guimarães e Mónica Santos | França – Portugal

Melhor Filme Longa-Metragem – SOLDADO MILHÕES

Melhor Filme ficção – ENTRE SOMBRAS

Melhor filme de ficção – Longa-Metragem – QUERO-TE TANTO | Vicente Alves do Ó | Portugal

Melhor filme ficção (Curta-Metragem) – S | Ilya Sherstobitov | Russia

Melhor filme Documentário – LUPO | Pedro Lino | Portugal

Melhor filme animação – STUCK IN THE MIDDLE | Denis Fleurion | França

Melhor Videoclip – ADAMASTOR – A Garota Não | Pedro Estevão Semedo | Portugal

Melhor filme experimental – STATUE | Zhan Danelyan | Rússia

Melhor Realização (Longa-Metragem) – CARGA | Bruno Gascon | Portugal

Melhor Realização – (Curta-Metragem) – UN CUENTO AL REVÉS | Inés Pintor Sierra e Pablo Santidrián | Portugal

Melhor Argumento – 5 CIGARRILHAS | Passos Zamith | Fic. | Portugal

Melhor Fotografia – ENTRE SOMBRAS | Alice Guimarães e Mónica Santos | Portugal – França

Melhor Edição – UNE NUIT | Guillaume Caramelle | França

Melhor representação – TRIVIAL | Fran Mechon | Espanha (Macarena Goméz)

Melhor Som – SAMIA | Rafael Vasconcelos | Brasil

Melhor filme do público – ATÉ QUE O PORNO NOS SEPARE | Jorge Pelicano | Portugal

Menção honrosa | Representação – A FLORESTA DAS ALMAS PERDIDAS | José Pedro Lopes | Portugal

O dia da cerimónia de abertura contou com muito público