De 19 a 21 de julho, Arouca viaja até ao tempo em que as monjas habitavam o convento, com a Recriação Histórica, que integra o evento “Arouca. História de um Mosteiro”. Por estes dias, as freiras voltam a respeitar os seus tempos de oração no cadeiral, regem a sua vida na sala do capítulo, dedicam-se às artes e aos cuidados médicos.

A vila fervilha e veste-se a rigor para a festa da Beatificação de Dona Mafalda e estão presentes as personalidades mais importantes do reino. Revivem-se episódios das lutas liberais, com destaque para a prisão de Frei Simão de Vasconcelos, o frade guerrilheiro, e também momentos da vida religiosa, como o rito de entrega a Deus e à vida em clausura a que chamavam tonsura e que obrigava ao corte dos cabelos.

Também por estes dias se recorda o grande incêndio que lavrou no Mosteiro. As monjas, consumidas por aflição, clamam por Dona Mafalda para que venha em seu socorro.

Cá fora, sem sair da sombra do seu Mosteiro, o povo canta e dança enquanto descansa do labor dos seus ofícios. Burgueses e camponeses cruzam-se nas estreitas ruas de Arouca. Os artesãos misturam-se com os vendedores de produtos frescos e de bom gosto no Mercado Oitocentista. E os que querem aquietar a fome, encontram nas tabernas um alívio para o estômago.

A animação incessante e ruidosa entoa por entre bombos, saltimbancos e músicos. Porém, a alegria e ambiente de festa são abalados por doenças desconhecidas para as quais os entendidos dos males do corpo e da mente tentam encontrar a cura.

De 19 a 21 de julho, faça parte desta história. Fique com o programa.

SEXTA-FEIRA | 19 DE JULHO

19h00 | Arruada de Bombos (Ruas da Vila)

19h30 | Cortejo Histórico (Rua Nova)

19h50 | Pregoeiro anuncia a festa (Terreiro)

19h55 | Charamela (Terreiro)

20h00 | Abertura Oficial do Mercado Oitocentista | (Campo do Mosteiro e Ruas da Vila)

20h00 | Cordéis – A Vila de Arouca é animada por artistas itinerantes que povoam o imaginário dos visitantes com várias Lendas | (Palco Rua Nova e Palco Campo do Mosteiro)

21h00 | Cerimonial da Entrega das Varas da Justiça – Após um sorteio realizado pelas mãos de uma criança, a Abadessa entrega as Varas do Poder Municipal (Terreiro)

21h20 | Bispo de Lamego e D. Abade Geral de Alcobaça chegam a Arouca a convite da Abadessa do Mosteiro para os festejos da Beatificação (Casa dos Padres)

21h30 | Abertura das Portas do Mosteiro – A vida quotidiana das monjas acontece em todos os espaços monásticos. Nos Claustros, no Capítulo, nas Celas, na Cozinha, na Botica, na Enfermaria, na Rouparia, no Arquivo, na Sala da Cera, na Sala da Música e na Sala da Aprendizagem. Entoam-se cânticos e sente-se a oração silenciosa.

21h30 | Poetas ao Desafio – Uma espécie de torneio poético começa depois do toque melancólico das trindades (Palco Terreiro)

21h35 | Monjas recebem visitas dos seus familiares e amigos. As conversas são de vária ordem, algumas delas desabafam sobre a sua vida de clausura (Locutório)

21h45 | Procissão – Acontecia aos Domingos, durante a Páscoa, Pentecostes, bem como outras datas de relevo litúrgico. Nestas procissões, as religiosas desfilam em redor do quadrângulo cantando e orando (Claustros do Mosteiro)

22h00 | Venda da Banha da Cobra – O vendedor, através duma oratória bem estudada, convence muita gente das capacidades infinitas do milagroso medicamento (Palco da Rua Nova)

22h00 | Roda dos Enjeitados – Recém-nascido é abandonado (Casa do Bêco)

22h15 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, com a presença dos membros da comunidade religiosa, tratam-se assuntos da vida conventual e lê-se um capítulo da Regra Beneditina. Noviça é punida pelo seu comportamento (Sala do Capítulo)

22h20 | Porta da Caridade – Os mais necessitados dirigem-se ao Celeiro a fim de receberem os donativos cerealíferos que a beneficência do Mosteiro contemplava (Celeiro)

22h30 | Cordéis – A Vila de Arouca é animada por artistas itinerantes que povoam o imaginário dos visitantes com várias lendas (Palco Rua Nova e Palco Bêco)

22h45 | Presos são visitados por familiares (Cadeia)

23h00 | Gentes de Arouca são assaltadas pela noite (Palco Campo do Mosteiro)

23h15 | Arouquenses e forasteiros juntam-se no Grandioso Cortejo da Beatificação da Rainha Santa Mafalda (Ruas da Vila)

23h45 | Concerto em honra da Rainha Santa Mafalda (Igreja do Mosteiro)

23h45 | As Portas do Mosteiro fecham-se para que as monjas possam descansar

00h00 | Fogo-de-artifício da Festa da Beatificação

SÁBADO | 20 DE JULHO

As ruas desta Vila vestidas para a festa animam o Povo. A animação incessante e ruidosa entoa por entre bombos, saltimbancos, músicos e muito mais. A alegria instalou-se para receber os forasteiros.

10h00 | Abertura do Mercado Oitocentista (Ruas da Vila)

11h00 | Espetáculo Infantil (Palco Rua Nova)

11h45 | Animação de Rua (Ruas da Vila)

12h00 | Abertura de Tabernas (Campo do Mosteiro)

14h00 | Cordéis – A Vila de Arouca é animada por artistas itinerantes que povoam o imaginário dos visitantes com várias lendas (Palco Campo do Mosteiro e Palco Rua Nova)

14h30 | Assalto – Em dia de festa, a vila inundada de nobres também pode ser alvo dos gatunos de plantão (Terreiro)

15h00 | Cordéis – A Vila de Arouca é animada por artistas itinerantes que povoam o imaginário dos visitantes com várias lendas (Palco Terreiro e Palco Bêco)

15h30 | Funeral – Cumpre-se os rituais fúnebres, e o nosso irmão de famílias nobres é adorado pela sua família e por muitas individualidades (Capela da Misericórdia)

16h00 | Abertura das Portas do Mosteiro – A vida quotidiana das monjas acontece em todos os espaços monásticos. Entoam-se cânticos e sente-se a oração silenciosa.

16h05 | Pregoeiro anuncia os próximos acontecimentos ao povo de Arouca e forasteiros (Terreiro)

16h10 | Abadessa continua a receber visitantes e convidados (Casa do Despacho)

16h15 | Monjas recebem visitas dos seus familiares e amigos. As conversas são de vária ordem, algumas delas desabafam sobre a sua vida de clausura (Locutório)

16h20 | Os Festejos da Beatificação continuam e o Celeiro de Mosteiro recebe todos os mantimentos necessários para estas comemorações (Celeiro)

16h30 | Porta da Caridade – Os mais necessitados dirigem-se ao Celeiro a fim de receberem os donativos cerealíferos que a beneficência do Mosteiro contemplava (Celeiro)

16h50 | Tonsura – É o primeiro passo necessário para ingressar na vida religiosa e simboliza a renúncia às vaidades do mundo (Pátio dos Comuns)

17h00 | Poetas ao Desafio – Uma espécie de torneio poético começa depois do toque melancólico das trindades (Terreiro)

17h20 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, com a presença dos membros da comunidade religiosa, tratam-se assuntos da vida conventual e lê-se um capítulo da Regra Beneditina. Postulante é acolhida no seio da vida monástica (Sala do Capítulo)

18h30 | Auto da Aclamação da Rainha D. Maria II (Antiga Câmara Municipal)

19h00 | O Barbeiro-sangrador trata Freira doente (Enfermaria)

19h30 | Moças preparam a sala para o Jantar das Monjas (Sala de Refeições)

20h00 | Jantar das monjas – Ao toque do sino as Irmãs deslocam-se apressadamente para o refeitório (Sala de Refeições)

21h00 | Presos são visitados por familiares (Cadeia)

21h15 | Procissão do Senhor dos Aflitos – Com esta ação solene, constitui-se uma nova confraria onde se espelha, a passagem de um culto individual a coletivo (Claustros do Mosteiro)

21h30 | Cordéis – A Vila de Arouca é animada por artistas itinerantes que povoam o imaginário dos visitantes com várias lendas (Palco Terreiro e Palco Rua Nova)

21h45 | Abadessa continua disponível a receber visitantes e convidados (Casa do Despacho)

21h50 | Monjas recebem visitas dos seus familiares e amigos. As conversas são de vária ordem, algumas delas desabafam sobre a sua vida de clausura (Locutório)

22h00 | Roda dos Enjeitados – Recém-nascido é abandonado (Casa do Bêco)

22h30 | Monjas procuram a cura para doença que assombra o Mosteiro (Botica)

22h30 | Frei Simão de Vasconcelos – Monge apóstata e guerrilheiro é preso em Arouca (Ruas da Vila)

23h00 | As Portas do Mosteiro fecham-se para que as monjas possam descansar

23h15 | Despique das Bandas Filarmónicas (Praça de Baixo)

23h30 | Animação de Rua (Ruas da Vila)

No ano de 1765, começa a deflagrar um incêndio no Real Mosteiro de Santa Maria de Arouca. Os gritos denunciam uma tragédia.

DOMINGO | 21 DE JULHO

As ruas desta Vila vestidas para a festa animam o Povo. A animação incessante e ruidosa entoa por entre bombos, saltimbancos, músicos, e muito mais. A alegria instalou-se para receber os forasteiros.

10h00 | Abertura do Mercado Oitocentista (Ruas da Vila)

11h00 | Espetáculo infantil (Palco Campo do Mosteiro)

11h45 | Pregoeiro anuncia os próximos acontecimentos ao povo de Arouca e forasteiros (Praça de Sima)

12h00 | Abertura de Tabernas (Campo do Mosteiro)

12h15 | Animação de Rua (Ruas da Vila)

14h00 | Abertura das Portas do Mosteiro – A vida quotidiana no espaço clausural continua.

14h15 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, lê-se um capítulo da Regra Beneditina, fala-se da vida quotidiana e esclarece-se os custos avultados da Festa da Beatificação (Sala do Capítulo)

14h30 | Venda da Banha da Cobra – O vendedor, através duma oratória bem estudada, convence

muita gente das capacidades infinitas do milagroso medicamento (Palco Bêco)

14h30 | Conversa sobre a doença que afeta a Vila de Arouca (Casa dos Padres)

14h45 | Abadessa continua disponível a receber visitantes e convidados (Casa do Despacho)

14h45 | Monjas recebem visitas dos seus familiares e amigos. As conversas são de vária ordem, algumas delas desabafam sobre a sua vida de clausura (Locutório)

15h00 | Assalto – Em dia de festa, a vila inundada de nobres também pode ser alvo dos gatunos (Campo do Mosteiro)

15h00 | Auto da Reclamação de D. Miguel I (Antiga Câmara Municipal)

15h15 | Barbeiro-Sangrador – As doentes são assistidas nos seus leitos (Enfermaria)

15h30 | Cordéis – A Vila de Arouca é animada por artistas itinerantes que povoam o imaginário dos visitantes com várias lendas (Palco Terreiro e Palco Rua Nova)

16h00 | Casamento da filha de um lavrador rico. O povo curioso saúda os noivos (Capela da Misericórdia)

16h00 | Aula de Música – A música está muito presente na vida monástica. Aqui aprende-se a tocar vários instrumentos musicais (Sala da Música)

16h20 | Aula de Latim – Para cantar, primeiro é preciso aprender latim (Sala da Música)

16h30 | Venda da Banha da Cobra – O vendedor, através duma oratória bem estudada, convence muita gente das capacidades infinitas do milagroso medicamento (Palco Campo do Mosteiro)

16h45 | Frei Simão de Vasconcelos parte escoltado para Lamego (Ruas da Vila)

17h00 | No celeiro, a Mestre Celeireira, como responsável máxima, mostra-se insatisfeita com a forma bastante célere com que alguns alimentos vão desaparecendo. Resolve interpelar algumas das moças como tentativa de descobrir a razão para tamanha escassez (Celeiro)

17h00 | Poetas ao Desafio – Uma espécie de torneio poético começa depois do toque melancólico das trindades (Palco Campo do Mosteiro)

17h30 | Várias são as procissões que decorrem nos claustros do mosteiro, onde as monjas oram e cantam os seus louvores a todos os santos (Claustros do Mosteiro)

18h00 | Tonsura – É o primeiro passo necessário para ingressar na vida religiosa e simboliza a renúncia às vaidades do mundo (Pátio dos Comuns)

18h00 | Presos são visitados por familiares (Cadeia)

18h30 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, com a presença dos membros da comunidade religiosa, tratam-se assuntos da vida conventual e lê-se um capítulo da Regra Beneditina. Postulante é acolhida no seio da vida monástica (Sala do Capítulo)

18h30 | Despique das Bandas Filarmónicas (Praça de Baixo)

19h00 | As Portas do Mosteiro fecham-se

20h00 | Encerramento (Escadaria do Terreiro)