COMUNICADO | Depois do grande incêndio de 2016 e dos contributos que o município de Arouca deu ao incentivar o Governo para a reforma florestal, Margarida Belém quer também apoiar os bombeiros locais, fomentando o voluntariado.

Está assim a trabalhar na definição de um conjunto de regalias sociais para quem integre o corpo de bombeiros arouquense. “É um justo reconhecimento a quem, de forma tão abnegada e corajosa, se voluntaria para tratar do seu semelhante e proteger, como acontece em casos de incêndios, bens que são propriedade de terceiros, gente que dá o seu tempo a esta causa, muitas vezes com prejuízo para a vida pessoal e familiar”, considerou Margarida Belém.

A Câmara Municipal será também um parceiro mais ativo na prevenção dos incêndios florestais. Margarida Belém está a analisar as condições necessárias para a criação de uma equipa de intervenção permanente nos Bombeiros Voluntários de Arouca. Esta equipa de 5 elementos encontra-se disponível no quartel para os serviços urgentes: Socorro, acidentes e incêndios. O custo associado é suportado em partes iguais pela autarquia e pela Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Ainda neste âmbito, do programa eleitoral da atual vice-presidente da Câmara Municipal de Arouca faz parte a criação do Gabinete Via Verde Florestal, que será responsável pela definição da estratégia a seguir neste âmbito com vista a promover o ordenamento florestal e a respetiva dinamização económica. Este gabinete terá também como função promover o desenvolvimento rural, tendo ainda afeto a si o serviço de proteção civil, numa lógica de rentabilização dos serviços e de funcionamento integrado.

Recorde-se que a 16 de agosto de 2016, no rescaldo do grande incêndio que assolou o concelho de Arouca, Artur Neves, em declarações à agência Lusa, reclamava “a definição de um plano de reflorestação à escala de cada município”, que permitisse ao concelho adotar “um plano de ordenamento e gestão florestal próprio, a implementar de forma integrada com os territórios vizinhos”, o que é possível agora com o diploma da reforma florestal aprovado em julho deste ano. Os municípios passam a ter mais autonomia e controle nos seus territórios para intervir na prevenção dos fogos, nomeadamente com as instruções de arborização e o cadastro florestal.

PS Arouca