Várias artes ganharam vida no Museu Municipal de Arouca, no passado dia 19 de março, entre as 15h00 e as 17h00. Inês Rocha da Associação das Bordadeiras e Bainhas Abertas de Arouca, Graça Brandão (GraçArte), Adélia Dias (Lelart) e Isabel Freire (IF – Isabel Freire Arts & Crafts) trabalharam ao vivo para demonstrar as suas artes e saberes manuais. Materiais como linho, lã, pele e papel foram transformados em peças únicas e autênticas com a ajuda de agulhas, tesouras, alicates e outras ferramentas.

Na sua passagem pelo Museu Municipal de Arouca, Inês Rocha e Adélia Dias não deixaram esquecer o papel importante que a formação profissional teve nas suas carreiras como artesãs. Graça Brandão testemunhou que, apesar de profissionalmente ter trabalhado na área da tecelagem, uma área de trabalho que ainda mantém e a distingue enquanto artesã, foi com a sua aposentação que conseguiu investir no artesanato desenvolvendo um trabalho mais amplo e criativo. Por sua vez, Isabel Freire é o exemplo de uma nova geração que descobre o artesanato como forma de vida. Licenciada em Educação Visual e Tecnológica, reorganiza a sua vida pessoal e profissional regressando a Arouca, terra natal de sua mãe, e iniciando o projeto IF – Isabel Freire Arts & Crafts.

O trabalho destas artesãs, às quais se juntam outros artesãos de Arouca, é o exemplo do esforço e investimento em prol do artesanato, numa tentativa de sobrevivência de velhos saberes onde, cada vez mais, a criatividade se impõe para a reinvenção de peças e novos materiais.