A S.O.S. Rio Paiva – Associação de Defesa do Vale do Paiva fez saber, num comunicado emitido no passado dia 10 de janeiro, que “está preocupada com a deficiente fiscalização das descargas poluentes efetuadas no Rio Paiva e com as falhas no funcionamento das Estações de Tratamento de Águas Residuais que provocam problemas sérios de poluição no rio e na saúde pública da populações”. Neste sentido, está a promover uma petição para poder levar a discussão das descargas poluentes no Rio Paiva à Assembleia da República.

Segundo a associação, Castro Daire e Vila Nova de Paiva têm sido os concelhos com registo de “descargas poluentes esporádicas no seu leito e nos afluentes, com origem em algumas indústrias (pecuárias e outras), bem como em algumas Estações de Tratamento de Águas Residuais, conforme já foi comprovado pela S.O.S. Rio Paiva e pelas próprias autoridades”.

Em declarações à agência Lusa, Sérgio Caetano, presidente da associação, informou que a petição teve início em novembro de 2016 e já ultrapassou as mil assinaturas. O objetivo é alcançar as cinco mil assinaturas até março.

De acordo com o mesmo comunicado, a associação pretende também apresentar ao Governo diversas medidas a implementar para resolver o problema das descargas poluentes, tais como, “o reforço dos meios de fiscalização e do SEPNA, o redimensionamento das ETAR tendo em conta a população residente durante os meses de Verão, a realização de análises da água nas zonas balneares e aos efluentes das ETAR em dias aleatórios e o desenvolvimento de um projecto de estudo, monitorização e aperfeiçoamento da fiscalização e tratamento das águas residuais no vale do Paiva com base na Directiva Quadro da Água”.

O Rio Paiva é um destino de eleição para os amantes do turismo de Natureza, com cerca de 110 quilómetros de extensão, que atravessa os concelhos de S. Pedro do Sul, Castro Daire, Vila Nova de Paiva, Sátão, Viseu, Sernancelhe, Cinfães, Moimenta da Beira, Arouca e Castelo de Paiva.