Câmara reuniu em Albergaria e discutiu obras na Serra

Com o propósito de “incentivar a participação cívica e a promover a proximidade e o envolvimento dos munícipes nos atos de tomada de decisão por parte dos órgãos do Município” reuniu no passado dia 5, no Centro de Interpretação das Pedras Parideiras, na aldeia da Castanheira (União de Freguesias de Cabreiros e Albergaria da Serra), a Câmara Municipal.

Esta reunião, no Período Antes da Ordem do Dia, serviu para análise de algumas questões que dizem respeito ao desenvolvimento da Serra da Freita.

Na oportunidade a Presidente da Câmara agradeceu a colaboração prestada pela AGA – Associação Geoparque Arouca, na realização daquela reunião, lembrando que decorria o décimo aniversário da sua constituição tendo elencando as atividades mais relevantes que por ela têm sido desenvolvidas e as que irão ser promovidas em comemoração da efeméride. A edil informou que, na sequência do ato eleitoral recentemente realizado, o Município está representado nos órgãos sociais da Entidade Regional de Turismo através da AGA (notícia dada pelo DD na última edição), dando também nota que o Município está a implementar um novo sistema de gestão documental pelos diversos serviços municipais, que visa, além da sua modernização, prestar um melhor atendimento aos munícipes.

Margarida Belém transmitiu ainda que no âmbito da limpeza das florestas irá ser implementado até ao fim do mês o conceito de aldeia segura, com o intuito de incrementar medidas de autoproteção.

Vias de comunicação e património

No âmbito referido, o Vereador Fernando Mendes (PSD) falou na ligação da estrada Cando ao Radar salientando que, aquando da instalação do Parque Eólico da Freita, “deveria ter sido acautelado com as entidades que instalaram e gerem o referido Parque, a beneficiação da estrada com a largura necessária e devidamente pavimentada. A mesma poderia ter sido feita oportunamente sem custos para o município, agora urge a devida beneficiação e intervenção, uma vez que a mesma se encontra em elevado estado de degradação” – assegurou ainda.

Por seu turno, Vítor Carvalho, do mesmo partido, referiu que “tendo em conta a Infraestrutura “designada como Represa”, situada em pleno planalto da Serra da Freita, que neste momento não tem qualquer utilização/utilidade pelo facto de ter sido completamente abandonada, somos a alertar para a importância da mesma, entre outros, para fins turísticos, excelente posicionamento para recolha de água, ancoradouro de apoio e combate aos incêndios, possível espaço para desportos de água e banho, apoio à agricultura, pastorícia, caça e pesca. Importa ainda associar a montante da mesma um pequeno parque de merendas e de lazer”.

Este autarca do PSD depois de lembrar que “os incêndios em Arouca semearam um rasto de destruição mas deixaram a descoberto entre outro o património arqueológico, um já identificado na carta arqueológica de Arouca e outro que se pode mais facilmente descobrir, (pela ausência de mato e árvores)”, fez algumas propostas que vão no sentido a) Articular e acautelar com os operadores florestais, os necessários cuidados para que não se destruam os arqueossítios com a abertura de caminhos, remoção e corte das madeiras. b) Aproveitar para fazer identificação, sinalização e intervenções no sentido de valorizar e conservar os espaços arqueológicos; para além disso, por exemplo circunscrever o espaço e sensibilizar os proprietários para a importância do património que está nos seus terrenos. c) Otimizar recursos, integrar e interligar no projeto “Geonatura-Qualificação, promoção e comunicação do património natural do Arouca Geopark”, o património arqueológico (arqueossítios) com o geológico (geossítios)”.

Vítor Carvalho referiu ainda que “na reunião de câmara de 03 de Maio 2018 foi aprovado o estudo prévio para a requalificação do parque de campismo do Merujal; Tendo em conta que o mesmo enferma de muitos problemas estruturais e de degradação, é portanto uma obra prioritária e premente para este território nomeadamente da Serra da Freita”, pelo que questionaram: “para quando a aprovação do projeto e sua execução. Já agora não esquecer e incluir no projeto a casa florestal que se encontra na zona limítrofe do parque de campismo e cujo estado atual nos envergonha”.

Em respostas à questão colocada pelo vereador Fernando Mendes, a Presidente da Câmara disse “que a definição das prioridades de reparação da rede viária está a ser trabalhada com as Juntas de Freguesia, esperando-se reunir os recursos de molde a poder intervir no maior número de vias possível” .

No que se refere às questões e propostas feitas por Vítor Carvalho, a edil esclareceu que “a Câmara está a estudar a possibilidade de proceder à impermeabilização da represa, principalmente para que possa constituir-se uma reserva de água de apoio ao combate a incêndios florestais”, e que a “Câmara está, juntamente com a AGA, a trabalhar na valorização e preservação do património arqueológico”.

No que se refere ao Parque de Campismo disse que “a Câmara está a ultimar o projeto para a sua requalificação, dotando-o de equipamentos que permitam a sua fruição durante todo o ano”.

No ensejo, Margarida Belém deu nota ainda que “vai ser aberto o concurso para adjudicação da empreitada de recuperação dos viveiros a Granja e que está a ser trabalhado o projeto para ampliação do edifício do Centro de Interpretação das Pedras Parideiras”.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.