OPINIÃO | O 1º de Maio é um momento de grande significado

Em quase todo o mundo, comemora-se no dia 1 de Maio o Dia do Trabalhador. As suas origens não são muito recentes, a história deste dia remonta ao século XIX, história esta que teve na sua base a luta dos trabalhadores por uma jornada de trabalho de 8 horas diárias. Em Portugal, só a partir da revolução dos cravos, se comemorou o 1º de Maio em liberdade e, nessa mesma data, passou a ser feriado nacional o que já acontecia em muitos países europeus. É de salientar que as 8 horas de trabalho diárias só foram aprovadas no nosso Parlamento em Maio de 1996, 22 anos após a revolução. Maio tem sido ao longo destes 44 anos sinónimo de liberdade e comemoração dos trabalhadores. A comemoração deste dia é importante na história dos trabalhadores, sendo um momento de consciencialização e de reflexão sobre a importância do trabalho e do trabalhador, representando todas as lutas do passado, efeméride de transcendente significado que expressa e consagra a luta dos trabalhadores durante séculos, em prol da conquista dos seus direitos e do respeito pela sua dignidade. O trabalho assume um papel relevante na vida da maior parte dos trabalhadores, sendo a sua principal fonte de rendimentos e também uma forma de se sentirem realizados e úteis, constitui um eixo central na vida do ser humano e é também um motor essencial para o desenvolvimento de qualquer sociedade, constituindo uma realidade particularmente sensível e de extrema relevância económica e social.

Os avanços tecnológicos sucederam a uma velocidade inimaginável e tornaram o trabalho mais leve fisicamente, mas, claramente mais pesado no plano emocional, tendo tornado evidente a desordem e a insegurança no mundo do trabalho. Estamos perante dois quadros de valores bem distintos:

  1. Por um lado, a geração sénior que tem assistido, resistido e sofrido com o avanço tecnológico, as fusões e aquisições. O conceito de emprego para a vida é actualmente a sua maior ameaça, as qualidades são agora os seus maiores defeitos, uma geração fortemente abalada pela mudança.

  2. Por outro lado, uma nova geração, a geração millennial, que compreende em sentido lato, todos os que nasceram entre o início dos anos oitenta e o fim dos anos noventa, fortemente influenciada, em todo o seu percurso, pelas constantes inovações tecnológicas dos últimos anos, bem como pelas novas formas de interação que daí resultam. Esta geração, com maior nível de qualificação, nativa digital, global, conectada, presente nas redes sociais, teoricamente, com mais oportunidades, vive entre a falta de trabalho, baixos salários, trabalhos precários e instáveis e uma percentagem de desemprego mais acentuada.

A configuração do mundo do trabalho agravou-se profundamente no final do século passado e início deste século: precarização dos vínculos laborais e direitos sociais, salários muito baixos e mais desiguais, destruição do trabalho permanente e aumento significativo dos recibos verdes. O trabalho precário, que legalmente deveria ser excepção, passou a ser a regra, e o trabalho permanente a ser a excepção. O trabalho é dignificador do homem, que por sua vez é fazedor do trabalho que está no centro do combate à pobreza, às desigualdades e no garante dos direitos sociais fundamentais. Nestes 44 anos de caminhada, houve mudanças profundas nas formas de prestação e organização do trabalho, muitas evoluções em diversos campos e retrocessos noutros, pondo em causa o que se considerava adquirido, surgindo problemas que nos pareciam jamais existirem.

No passado, como nos dias de hoje, a celebração do 1º de Maio mantém o seu significado e actualidade, marca a dignificação e o valor que a sociedade deve atribuir ao trabalho e aos trabalhadores. A evocação deste dia é e será sempre um momento de grande importância, dado o trabalho ter um papel estrutural e estruturante na organização da sociedade. Ora, se o trabalho tem um papel de tão grande relevância, o 1º de Maio, que faz a evocação do seu valor, é sempre um momento significativo.

Texto de Rosa Morais 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.