Páscoa em Arouca: fé e tradição

Fotos: Carlos Pinho

Já lá vão os tempos em que a Semana Santa, em Arouca, era rodeada de grande solenidade, fé e tradição. Festejado o Dia de Ramos, (os ramos guardavam-se para afugentar a trovoada) os senhores padres revezavam-se nas confissões, na «desobriga», dos púlpitos ribombavam os sermões e não faltavam lágrimas e corações aflitos perante o sofrimento, os lava-pés como símbolo da humildade, da insignificância dos homens vergados aos mistérios de um Deus que se deixou crucificar e ressuscitou para os salvar.

Para além da fé, em algumas freguesias restaram tradições onde, como sempre acontece, a superstição também ocupa o seu lugar. É o caso da «ementa das almas», em Fermêdo, promovida pelo Grupo Etnográfico e Folclórico de Fermêdo e Mato.

Sem o brilho de antigamente, quando os párocos residentes percorriam todas as casas, nas freguesias do concelho passou de novo o Compasso e também foi dia de muitos, vindos de longe, se unirem às famílias e confraternizarem.

Nas ruas da vila realizou-se a tradicional procissão do Enterro e a Procissão dos Fogaréus que, como habitualmente, saiu da capela da Misericórdia e foi ao Calvário. Esta é, aliás, uma procissão emblemática e com um longo historial. No passado alguns dos seus participantes levavam uma tocha, fogaréu, o que proporcionava um misterioso e arrebatador espectáculo. No púlpito, instalado no Calvário, o habitual sermão sobre o significado e mistérios da Páscoa.

Mas, como se disse, em vários locais, um pouco por todo o país, a Semana Santa, além de se tornar atracção turística, também encerra práticas milenares, onde à fé o povo foi acrescentando tradições e superstições de que a ementa das almas, que se realiza em Fermêdo, é apenas um dos exemplos mais conhecidos.

Esta recomendação das almas, tinha como grande objectivo sufragar os grandes pecados, cumprir promessas e esconjurar os espíritos maus das encruzilhadas.

O ementador chamava as almas boas: «almas boas acompanhai-me e as más deixai-me», e dirigia-se a três altos onde, no silêncio da noite, se fazia ouvir:

«alerta pecadores, alerta»

A terminar dirigia-se de novo à porta da igreja para retribuir as almas a Deus:

«Almas boas arrecolhei-bos e más arretirai-bos»

Diga-se, finalmente, a título de curiosidade, que em algumas paróquias do concelho ainda há livros muito antigos de «desobriga», onde existe o registo do dia da confissão dos respectivos paroquianos praticamente todos já falecidos.

E é este misto de religiosidade, de superstição e de fé que também faz parte da vida do povo de sucessivas gerações.

(A.)

Bênção do Lume Novo
Bênção dos Ramos
Ementa das Almas
Enterro do Senhor
Procissão dos Fogaréus
Compasso

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*