Artur Neves visitou cidade brasileira edificada por arouquense do séc. XVIII

Durante a sua visita ao Brasil, por ocasião do aniversário do Arouca Barra Clube, o presidente da Câmara Municipal de Arouca, José Artur Neves, visitou também a cidade Mariana, em Minas Gerais, ligada a Arouca por um laço muito curioso. Recebido de forma calorosa na Câmara dos Vereadores, pelo Prefeito, Vice-Prefeito, secretários da Prefeitura e autoridades judiciais e religiosas da cidade, José Artur Neves e Cristiano Casimiro Santos (autarca de Mariana) evocaram a memória de um arouquense, José Pereira Arouca, que, em meados do século XVIII, se assumiu como o principal construtor daquela cidade brasileira.

As histórias de Mariana e de Arouca estão ligadas por um laço muito forte, porque um cidadão nascido em Arouca foi responsável por grande parte das edificações coloniais que tornam Mariana património nacional. Falo do mestre de obras, construtor, arquiteto e mestre pedreiro/carpinteiro: José Pereira Arouca. Em Minas Gerais, um dos primeiros registos que se tem de José Pereira Arouca data de 1753 e, desde então, ficou ligado à história administrativa, urbanística e arquitetónica de Mariana e da região”, sublinhou Cristiano Casimiro do Santos, na sessão solene que decorreu na Prefeitura de Mariana.

Trazendo o nome da sua terra consigo, José Pereira Arouca trouxe, de facto, Arouca até Mariana e até ao Brasil. A sua história de vida espelha bem o que nos caracteriza enquanto povo e a proximidade natural que existe entre nós, Arouca e Mariana, Portugal e o Brasil. Consigo, José Pereira Arouca trouxe a determinação, o carácter, a identidade de um povo que sabe fazer bem. Aqui, em Mariana, encontrou o olhar para o futuro, o tomar nas próprias mãos essa construção e a arte de fazê-lo de forma estruturante”, afirmou José Artur Neves.

José Pereira Arouca foi batizado em Arouca a 26 de fevereiro de 1731, e em 1753 já vivia em Mariana, ao que tudo indica com o respeito, carinho e acolhimento de todos. Para o Brasil, levou a sua arte, que se pensa ter aprendido na escola de pedreiros e entalhadores do Mosteiro de Arouca, onde terá aprendido o necessário para tornar-se o maior construtor de Mariana, conhecido como pedreiro, carpinteiro, avaliador e «riscador» (engenheiro e arquiteto) das suas obras. Respeitador dos compromissos assumidos, Arouca foi juiz de ofício, tesoureiro da Câmara Municipal e alferes do exército. José Pereira Arouca foi alvo de um trabalho de investigação do historiador Afonso Veiga, publicado pela Real Irmandade da Rainha Santa Mafalda. CMA

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*