Ministros da Agricultura de Angola e Portugal visitaram novo Núcleo de Genética de Porcas Reprodutoras instalado em Arouca

Fotos: Carlos Pinho

Capoulas Santos e Marcos Nhunga, ministros da agricultura de Portugal e Angola, respetivamente, visitaram no passado dia 19 de fevereiro, o novo Núcleo de Genética de Porcas Reprodutoras, instalado no lugar de Mealha, em Arouca. Durante a visita, que contou também com a presença do investidor arouquense Fernando Teles, Artur Neves, presidente da Câmara Municipal de Arouca e Joaquim Cunha, presidente da União de Freguesias de Canelas e Espiunca, todos concordaram ser um “excelente projeto”.

Nasceu na União de Freguesias de Canelas e Espiunca, mais concretamente em Mealha, Arouca, um Núcleo de Genética de Porcas Reprodutoras. O projecto, comparticipado e aprovado pela comunidade europeia através do programa para a agricultura “Proder” e apoiado pelo Governo Português, representa um investimento total de 1,8 milhões de euros e resulta, segundo a autarquia, de um “investimento privado tecnologicamente avançado e ambientalmente sustentável, com uma sólida estratégia para o desenvolvimento do setor primário do nosso concelho”.

A exploração pecuária irá funcionar nos pavilhões dos antigos aviários, com tecnologia atualizada e eficiente e, segundo Fernando Teles, o projeto que demorou pouco mais de um ano a desenvolver “é apenas um dos investimentos que estamos a fazer em Alvarenga”. O empresário prevê que, num ano, sejam produzidos cerca de 18 mil porcos, através de 600 porcas reprodutoras.

Na visita de inauguração, realizada no passado dia 19 de fevereiro, Capoulas Santos, ministro da agricultura português, teceu largos elogios ao projeto. “Qual é o ministro da agricultura que não gosta de ver investimentos desta dimensão e com este grau do sofisticação serem concretizados? Naturalmente que todos estes contributos são fundamentais para que a agricultura portuguesa e a pecuária tenham a importância e o peso crescente que tem vindo a conhecer. É um projeto de ponta; aqui vão ser produzidas as fêmeas reprodutoras que até agora o país tinha de importar, portanto desse ponto de vista de substituição de importações é da maior importância. Fico muito satisfeito e com muito orgulho deste projeto”, referiu em declarações à imprensa. Considera ainda que Fernando Teles é um “empresário experiente, inovador e criativo, com investimentos muito importantes em Portugal em diversos domínios do campo da agricultura”.

Marcos Nhunga, ministro da agricultura de Angola, corroborou as palavras do ministro português, acrescentando que “é um projeto que dá uma dinâmica ao processo de cultivo e pecuária aos portugueses. Todos estão de parabéns por iniciativas destas que substituem importações. São sempre muito bem-vindas para o país. Acho que é um projeto excelente”. O ministro angolano demonstrou também apreço pelo investidor Fernando Teles, um “empreendedor luso-angolano”.

Ao longo da visita as questões ambientais estiveram bem presentes. Sobre esse assunto Artur Neves, presidente da Câmara Municipal de Arouca, afirmou que “esta genética vai ser produzida numa lógica sustentável associada aos terrenos agrícolas. Todo o estrume que aqui é produzido não fica aqui, nem é tratado e colocado nas linhas de água. Será tudo recolhido para ser usado em 124 hectares de terreno agrícola”, esclareceu. O autarca sublinhou ainda que esta é uma iniciativa que “representa o crescimento de Arouca nos últimos anos”.

Texto de Andreia Borges

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*