Inaugurada escultura em homenagem a Ferreira de Castro

Em Vale de Cambra

Inaugurada no passado dia 12 de janeiro, encontra-se no Parque da Cidade de Vale de Cambra, a escultura “A Selva”, em homenagem ao escritor osselense Ferreira de Castro. No mesmo dia foi também apresentada a exposição de fotografia “Ferreira de Castro, um olhar sobre o Vale”, no edifício do Paços do Concelho.

Vale de Cambra homenageou o escritor Ferreira de Castro, com a inauguração da peça escultórica “A Selva”, inspirada no romance do autor com o mesmo nome. A iniciativa, promovida no âmbito das comemorações dos “100 Anos da Vida Literária de Ferreira de Castro”, teve lugar no passado dia 12 de janeiro, no Parque da Cidade de Vale de Cambra, local onde se encontra a escultura.

A peça teve autoria criativa de Vítor Ferreira, professor e responsável pelo departamento de artes do Agrupamento de Escolas do Búzio e foi o projeto escolhido de quatro propostas, que seguiu depois para o departamento de mecânica, onde foi construída a estrutura.

Estiveram presentes na cerimónia José Pinheiro, presidente da Câmara Municipal de Vale de Cambra, Pedro Martins, diretor do Agrupamento de Escolas do Búzio, Vítor Ferreira, autor criativo da peça, vários membros da autarquia e alunos da escola.

Pedro Martins, diretor do agrupamento, começou por explicar o processo de seleção dos projetos e as razões que levaram ao nome da obra. “O livro “A Selva” foi o livro mais vendido do autor, cerca de meio milhão de exemplares, foi traduzido em várias línguas, por isso é uma merecida homenagem”.

Vítor Ferreira falou sobre como se inspirou para desenhar a peça e os significados da obra. “Há um grito de liberdade. Esta escultura tem várias leituras, não só políticas, mas também relacionadas com a floresta amazónica, muito falada por Ferreira de Castro. A escultura tem quatro cortes, que representam o que os seringueiros faziam para extrair a borracha. A curvatura significa o rio Madeira que ele tanto adorava. Acho que já se devia ter feito algo com o nome Ferreira de Castro”, referiu.

José Pinheiro começou por relatar o que a peça o fazia lembrar, fazendo alusão à indústria do concelho e às gentes de Cambra. “Eu não me atrevo a comentar a peça, porque ela terá naturalmente inúmeras leituras. Quando olhei para ela vi logo uma imagem forte com estes dois braços abertos, que no fundo dão as boas vindas a quem nos visita, abraçam quem vem à nossa terra. Tem também um simbolismo forte, que é também uma homenagem à nossa indústria metalomecânica, porque temos o aço, que também representa aquilo que a nossa terra sabe fazer tão bem.”

O presidente da Câmara Municipal de Vale de Cambra afirmou ainda que “são estes legados que devemos aproveitar para tornar a nossa terra mais conhecida, mais virada para a arte, para a cultura, virada também para a indústria.”, e aproveitou para agradecer a quem concebeu a peça e quem ajudou a desenvolver.

Uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Vale de Cambra, Agrupamento de Escolas do Búzio e Centro de Estudos Ferreira de Castro.

Exposição “Ferreira de Castro, um olhar sobre o Vale” patente até 6 de fevereiro

No mesmo dia foi também inaugurada, no Paços do Concelho, uma exposição de fotografia em homenagem ao escritor. Intitulada “Ferreira de Castro, um olhar sobre o Vale”, a exposição é constituída por excertos da descrição do percurso entre as Baralhas e a Sra. da Saúde, que o autor faz de Vale de Cambra no “Guia de Portugal” (1944). A exposição integra ainda fotografias da época pertencentes ao espólio fotográfico do Arquivo Municipal de Vale de Cambra.

Patente até ao próximo dia 6 de fevereiro, a exposição pode ser visitada de segunda a sexta feira, das 9h às 17h30. E aos domingos das 14h30 às 17h30.

Texto e fotos: Andreia Borges

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*