Centro de Interpretação Geológica de Canelas: “dez anos de conhecimento e ensinamento”

O auditório encheu-se para testemunhar a evocação do 10º aniversário

O Centro de Interpretação Geológica de Canelas tem consigo dez anos de conhecimento e ensinamento “ – a frase é do Presidente da Câmara de Arouca, Artur Neves, na sessão evocativa, que decorreu no passado dia 2, naquela freguesia.

Por ali também ficaram elogios a Manuel Valério, como alguém verdadeiramente apaixonado pela geologia e que é o “rosto” e a “alma” daquela infraestrutura construída junto à exploração de ardósia. É ali, precisamente, que são retirados espécimes de fósseis de trilobite que, ao longo destes anos, têm merecido a atenção da comunidade científica mundial.

O Centro de Interpretação Geológica de Canelas foi a génese do projeto “Arouca Geopark”. Aliás, o edil arouquense, reconheceu que “foi um privado (Manuel Valério) que impulsionou uma estratégia que viemos a agarrar”.

O programa de aniversário decorreu durante a manhã e iniciou-se com a apresentação de um novo filme – uma verdadeira viagem irrepreensível no tempo – a que se seguiu duas homenagens: a Décio Thadeu (pioneiro no estudo dos fósseis de Canelas) e a Simões Júnior (primeiro arouquense a admirar as trilobites de Canelas já em meados do século passado).

As referências biográficas a Simões Júnior, assim como papel que este médico teve no campo a ação cultural no concelho, foram feitas pelo historiador Afonso Veiga que, na oportunidade, defendeu que a verdadeira homenagem – que pode e deve ser feita pelos poderes públicos – tem que necessariamente passar pela publicação da sua obra no campo da etnografia e publicada avulso na “Defesa de Arouca”.

No final foi feita a inauguração de duas exposições temporárias – “Geologia, história e arqueologia de mãos dadas” e “Dez fotografias do Dr. Simões Júnior”.

Texto de OPB | Fotos de Carlos Pinho

aniv-trilobites-2
Manuel Valério no uso da palavra

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*