Aroucar

28 ANOS DE CONFIANÇA AUTOMÓVEL

Tudo começou com uma oficina no lugar do Tojal, em Chave. Na altura chamava-se AutoAlmeida – de Fernando Manuel Pinho Almeida, mas ficou conhecida pelo nome de Almeida e irmão, pelo facto de trabalhar com o seu irmão. No início era apenas uma pequena oficina automóvel. Natural de Chave, mas residente em Várzea (por influência de casamento), Fernando Almeida, lembra como se embrenhou no mundo dos negócios: “O melhor que fiz foi casar cedo! Fui para a tropa no último turno de 74. Estava na tropa quando nasceu o meu filho mais velho e vim-me embora por direito a amparo de filho. Foi aí que comecei a minha vida. Tornei-me empresário aos 24 anos.” Depois de 2 anos começaram também a comercializar carros, e quase uma década passada sobre os primeiros passos, a empresa tornou-se Aroucar. “Começámos a ter necessidade de fazer uma sociedade entre os 2 irmãos e daí veio o nome de Aroucar”, como resultado da junção dos vocábulos Arouca e carro. A empresa era agora propriedade de Fernando e Virgílio Almeida. Mudou-se o nome e mudou-se de “casa”. Embora já tivessem no Rossio o stand automóvel, instalaram aí a sede e todos os serviços de empresa. Aí continuam até hoje. Em 2002, o irmão Virgílio deixa de ser só- cio e a Aroucar passa a ter como proprietário um elemento feminino: a esposa de Fernando Almeida. “Ela até gosta de carros”, e nem teria outra hipótese, “com tanta gente a gostar de automóveis lá em casa”. Em 28 anos de negócio, assegura que sempre teve “muito sucesso”, que atribui aos clientes que ganhou ao longo do tempo e à sua maneira de ser e trabalho. Outro aspecto que julga ter ajudado a atrair clientes é o facto de ser piloto de automóveis. “Sempre fui eu que preparei o meu carro e isso mostrava que tinha conhecimento de carros”. “Tenho clientes que são meus clientes desde que comecei a trabalhar.” A fidelidade dos clientes é algo que enche de orgulho este AROUCAR “28 ANOS DE CONFIANÇA AUTOMÓVEL” empresário. “Digo isto com muito prazer. É sinal que há confiança entre nós. A Aroucar está no mercado automóvel há muitos anos. Uma das coisas que me faz sentir bem é saber que há clientes que nos procuram mais do que uma vez.” A grande maioria de clientes são de Arouca, seguindo-se o concelho de Oliveira de Azeméis, mas diz ter clientes de todo a zona norte do país. Na venda de automóveis oferece assistência mecânica, viatura de substituição (aos clientes habituais) “para que o cliente não fi que limitado na mobilidade”. Estas são facilidades que, “de alguns anos a esta parte”, funcionam dentro e fora da garantia automóvel. A Aroucar também ajuda no processo de financiamento para a compra. Este “fi lho de gente humilde” – como se caracteriza – não esconde que o parque automóvel que tem em exposição tem vindo a baixar, “pela imposição das leis actuais no que diz respeito ao pagamento de imposto automóvel e a obrigatoriedade de inspecção por todas as viaturas em parque. Isto acarreta muita despesa e quanto mais viaturas estiverem em stock pior.” Outro elemento que dificulta o negócio são as “vendas de beira da estrada”. “Esses não dão garantia ao cliente e não pagam impostos.” Em média, “em anos bons” – que duraram até 2004, segundo relata – “vendia 12 a 15 carros por mês. Ultimamente não dá para fazer médias… Há meses de vender 8, mas também há outros de vender 3 viaturas.”

Texto de Cláudia Oliveira e foto de Carlos Santos
Edição nº 24 de 17/10/2008

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*